quinta-feira, 22 de junho de 2017

A ESTRELA DA TARDE, PARA OUVIR E SENTIR



DA SUPERPOPULAÇÃO NASCE O CAOS

Valério Mesquita

O agravamento dos problemas de saúde, segurança e desemprego no mundo e, particularmente, no Brasil, tem a sua raiz na explosão populacional. Não precisa ser cientista social, sociólogo, socialista ou qualquer profissional especializado para chegar às conclusões. Há cinquenta anos as entidades de planejamento familiar no Brasil não foram bem recebidas pela igreja, partidos políticos, governos estaduais e sociedade civil. Velhos tabus se interpuseram e malograram os propósitos da diminuição da natalidade que poderia ter atenuado hoje o crescimento geométrico da população e da demanda de saúde, de alimento, de emprego, de violência e tantas outras mazelas. O homem continua predador do globo terrestre e da sua própria vida quando, a cada dia, gera competitividade a si mesmo.
Observem o continente africano, com uma gama imensa de pobreza e de carências de todo o tipo. Ali a raça humana se acha em processo de extermínio mesmo, pela fome e pela doença. E os países ainda promovem guerras brutais numa verdadeira e escandalosa carnificina. E qual o divertimento dessa superpopulação oprimida e atrasada: o sexo, a procriação, que substituem ilusoriamente a falta de sustento, de assistência, de remédio, todos subjugados ao talante político de golpistas e demagogos corruptos. Mas, as nações do Novo Mundo, de idiomas espanhol e português, enfrentam as mesmas sobrecargas, migrando para a Europa que já fechou, por sua vez, as porteiras alfandegárias e diplomáticas. Para africanos e asiáticos, idem. As razões defensórias são as mesmas: os estrangeiros solapam e rivalizam o acesso à saúde, ao emprego e ao alimento com os nacionais, além de promoverem tumultos pela conquista de direitos sociais iguais.
O Brasil já supera os duzentos milhões de habitantes. É uma população que já ultrapassa a grandeza da sua dimensão territorial. Isso, por conta dos bolsões de pobreza, de desemprego, criminalidade e saúde pública (federal e estadual) sucateadas. Outro ponto concorrente reside na migração do homem do campo para as áreas metropolitanas. Aí se instala a desordem social, onde tudo que é excesso se transforma em coisa demasiadamente ruim. Quer um exemplo: a quantidade de veículos motorizados, o número crescente de assaltos, rios poluídos, água potável contaminada, escassez de moradias, e por aí vai. Tudo por quê? Porque existe gente demais. O país ignorante e analfabeto não elegeu uma política educacional de controle da natalidade para um desenvolvimento sustentável.
E daí? Tome improvisação e choque de gestão! Medidas oficiais somente paliativas e projetos megalomaníacos. O brasileiro espera sempre pelo milagre da terra, sem prepará-la, contudo, adequadamente, para produzir alimentos. No Rio Grande do Norte, quem está no campo produzindo? Quem deseja mais manter propriedade rural para ser tomada por bandos organizados e oficializados? A economia mundial sofre a pior crise da sua história, face à concentração de riquezas dos que aplicam dinheiro no arriscado mercado de capitais, em detrimento de bilhões de indivíduos marginalizados. Com efeito, levam os governos ao “salvamento” de bancos e empresas gigantescas, tirando das populações empobrecidas o direito ao pão, à saúde e ao teto. O “crescei e multiplicai-vos” foi levado muito ao pé da letra. Como diria um padre amigo meu, “isso aí é uma alegoria...”. Sou a favor da vida, mas é preciso ensinar o povo que botar gente no mundo sem condições de criar, hoje, é burrice e dor.


(*) Escritor.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

CHICO ANYSIO, O COMPOSITOR – Berilo de Castro


Durante muitos anos, o Brasil se alegrou, riu, aplaudiu e reverenciou o seu  humorista maior – Chico Anysio.
Em março do ano de 2012, perdemos o seu convívio. Faleceu aos  80 anos na cidade do Rio de Janeiro/RJ; uma perda lastimável e de difícil substituição.
Como é bom poder rever os seus inesquecíveis programas, quando são reprisados em forma de homenagem ao grande mestre do humorismo brasileiro.
Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho -( Chico Anysio ), Maranguape/CE, abril de 1931- Rio de Janeiro/RJ, março de 2012.
Sua história como compositor, surgiu e foi inspirada no final da década de 1950, ao escutar a música “Gente Humilde”, na versão instrumental gravada por Aníbal Augusto Sardinha ( Garoto – 1915-1955); muitos anos depois, a música recebeu a letra de Vinicius de Moraes e Chico Buarque de Holanda, consagrando-se como uma das mais belas poesias musicais da MPB.
Recebeu influência direta de sua mãe Haydée Paula, sua primeira parceira;  portanto, herdara uma forte influência genética da família, onde  todos  respiravam e nutriam música.
Teve a feliz e genial  companhia no início da sua carreira de compositor, da amiga, compositora e parceira   Dolores Duran (1930-1959), chegando a gravar um LP com quase todas as músicas de sua autoria; destaque para “A fia de Chico Brito”, um baião que fez muito sucesso e foi destaque no LP – “Estrada da Saudade”, de Dolores.
Em 1955, a revista Disco – Tocando/RJ, apresentou uma relação com as 100 melhores músicas brasileiras, na qual figuravam quatro composições de Chico Anysio em parceria com o potiguar( macauense) Hianto de Almeida, considerado por ele( Chico) como um grande músico e um dos precursores da Bossa Nova.
Foi na canção “Conversa de Sofá”, da parceria Chico/ Hianto, que o maestro Tom Jobim, fez o seu primeiro arranjo – o início da consagração e da imortalidade do genial maestro.
Chico compôs mais de 200 músicas. Seus principais parceiros foram: Dolores Duran, Arnaud Rodrigues (1942-2010) e Piau, que juntos criaram o trio musical e humorístico “Caetano e os Novos Baianos”(1970), como uma sátira ao movimento tropicalista; fez grande sucesso; gravou vários LPs; registro maior para a música “Vou batê pá tu”. Outra feliz parceria foi com Nonato Buzar (1932-2014), com a música ” O Rio Antigo”, com a belíssima interpretação de Alcione; com João Roberto Kelly,compôs “Rancho da Praça 11”, gravada brilhantemente por Dalva de Oliveira, a canção foi premiada no carnaval carioca do IV Centenário, no ano de 1965; com o músico potiguar Hianto de Almeida, gravou mais de 60 músicas.
Teve as suas músicas gravadas por grandes e famosos intérpretes, como: Dolores Duran, Elizete Cardoso, Dalva de Oliveira, Luiz Gonzaga, Benito di Paula, Alcione e outros.
 É bom rever, revelar e reviver essa bela e inteligente faceta, do nosso genial humorista Chico Anysio.
 Saudades!!!
Berilo de CastroMédico e escritor

sábado, 17 de junho de 2017



QUASE 90 ANOS VIVIDOS

Por: Carlos Roberto de Miranda Gomes

                Mesmo sem a obrigação de escrever diariamente uma crônica para alimentar o meu blog, ultimamente tenho me metido a besta e me arvoro como escritor para registrar passagens que considero marcantes do cotidiano, boas ou não, mas necessárias para atiçar a cabeça dos meus leitores – será que não é mais um atrevimento pensar que os tenho! Estou sendo pretensioso ou preterdoloso?

            Pois bem, após um dia um tanto emocional, com o falecimento da amiga guerreira Wilma de Faria, a quem fui reverenciar com o último adeus na Catedral Metropolitana de Natal, acompanhado de Bob Furtado, passei a tarde escrevendo a continuação da segunda versão do meu livro Traços e Perfis da OAB/RN, com interrupção já a noitinha para ir à missa de 7º dia de Conceição Rocha da Costa, viúva de tio Pedro, retornando para continuar a missão.

            Já no roncar da noite caí exausto no ventre da minha rede e liguei a televisão na hora do Conversa com Bial,  jovem jornalista ressuscitado pela Globo com um programa de boa qualidade, apagando aquela imagem fútil e medíocre quando comandava o BBB.

            Nesta noite do dia 16 o prato do dia foi nada mais, nada menos, que ARIANO SUASSUNA, que chegou a quase 90 anos bem vividos, acho eu, pois conseguiu ressurgir das cinzas após o assassinato do seu pai, tornando-se a figura mais representativa do que de melhor existe no Nordeste brasileiro para oferecer.

            Sem dúvida, é um escritor multifacetário, expoente maior da verdadeira cultura do povo destas bandas, usando uma linguagem prosaica singular, nacionalista, ou melhor, regionalista,, que impõe ao Brasil a sua maior expressão de intelectualidade moderna e autêntica.

            Um verdadeiro gênio em todas as dimensões – um poeta, dramaturgo, folclorista, antropólogo, etnógrafo, artista, enfim, de dimensão infinita, obnubilado pela fama de outros expoentes das letras nordestinos, alguns até chatos, que apearam, por algum tempo, o desarnar de um futuro escritor.

            Diz-se, e é verdade, que para se consagrar alguém é preciso que ele morra. Tai coisa besta – ARIANO é imortal, se não ta vivinho bulindo fisicamente, sua obra continua a encantar.

            Receba, pois, o seu espírito todo o meu respeito e a minha saudade, ou melhor, para não ser paradoxal, tiro a saudade porque imortal não morre e, por isso, não deixa saudade. Talvez a força da expressão tenha me traído porque a sua obra parou por aqui com o que já fez e é muita coisa!

            Quem sabe se um novo Chico Xavier não aparece para receber novos contos!

            Terminei por hoje, ou, por amanhã! Já são 2 horas da matina de outro dia.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O ESTADO ESTÁ DE LUTO

Morre a ex-governadora Wilma de Faria


16 Jun 2017
Pioneira na política do Rio Grande do Norte, tendo sido a primeira mulher eleita deputada federal, primeira prefeita de Natal e primeira governadora do estado, uma das lideranças mais carismáticas da história potiguar, a “guerreira” Wilma de Faria morreu às 23h40 deste feriado de Corpus Christi, 15 de junho, aos 72 anos de idade.
Wilma vinha convivendo com câncer no sistema digestivo há mais de dois anos, quando passou por tratamentos quimioterápicos e algumas cirurgias em São Paulo e Natal.
Mas sempre tentando conciliar com agenda de trabalho, uma de suas maiores fontes de vida e razão pela qual tem reconhecimento dos norte-rio-grandenses, – pelo legado de muitas ações e investimentos em todas as regiões do estado.
Eleita vereadora de Natal na última eleição, Wilma estava licenciada da Câmara desde o dia 18 de abril. Ainda cogitava retornar às atividades, mas teve que ser internada mais uma vez. Estava desde o dia 3 de junho na Casa de Saúde São Lucas, onde permaneceu até agora quando veio a óbito por falência múltipla de órgãos.
O velório acontecerá no Palácio da Cultura e o sepultamento no Morada da Paz, em Emaus, com horários a serem definidos.
PROFESSORA
Mestra em Educação e especialista em Sociologia, Wilma Maria de Faria nasceu em Mossoró, na região Oeste, e cresceu em Caicó, no Seridó. Tem quatro filhos e 13 netos; era professora aposentada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde se licenciou em Letras.
Sua trajetória política foi marcada pelo pioneirismo e ousadia. Quebrando a forte herança machista no estado, Wilma foi eleita a primeira deputada federal pelo RN em 1986, atuando em defesa dos direitos dos trabalhadores – o que lhe rendeu nota 10 do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).
Em 1988 se elegeu a primeira prefeita de Natal, cidade que administrou por três mandatos (1988, 1996 e 2000). Já no ano de 2002 marcou mais um capítulo da história política do estado, ao ser eleita a primeira mulher a governar o Rio Grande do Norte, liderando uma frente de pequenos partidos. Foi reeleita em 2006.
Wilma de Faria também foi vice-prefeita da cidade do Natal entre 2012 e 2016, e presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB/RN) por 20 anos. Atualmente era vereadora de Natal pelo Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) para a legislatura 2017-2020.
LEGADO
Por onde passou, Wilma foi destaque pelo seu trabalho e dedicação, principalmente na área social. Mas foi à frente do executivo estadual que a ‘guerreira’ desenvolveu suas maiores ações e obras, entre elas a expansão da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), a Refinaria Clara Camarão, em Guamaré; a Ponte de Todos Newton Navarro, em Natal; a Ponte da Ilha de Santana, em Macau; a Ponte de Jucurutu; o Complexo Turístico Ilha de Santana, em Caicó; a Revitalização da Av. Rio Branco, a construção do Expocenter e a implantação do Curso de Medicina, em Mossoró.
Destaque ainda para o Programa de Segurança Alimentar, com os Restaurantes Populares, assim como a duplicação do número de Centrais do Cidadão; além de ter realizado um grande programa rural de apoio ao homem do campo: o Desenvolvimento Solidário.

Wilma orgulha-se também de ter melhorado os índices socioeconômicos do estado, sobretudo em energia eólica, que alçaram o RN de zero em energia limpa ao 1º lugar nos leilões do país, além de no turismo, principal atividade econômica, ter colocado o RN como destaque do Nordeste.
________________
FONTE: POLÍTICA EM FOCO

quinta-feira, 15 de junho de 2017

RELEMBRANDO MOSSORÓ


  

   
Tomislav R. Femenick

CANGACEIRO: FRUTO DA FALTA DE
JUSTIÇA QUE IMPERAVA NO SÉCULO
PASSADO NO SERTÃO NORDESTINO


Reportagem de Tomislav R. Femenick, publicada no jornal Diário de Pernambuco, de 23 junho de 1968. 

É preciso que se faça um pouco de justiça quando tivermos de revisitar a vida dos cangaceiros e bandidos que infestam o Nordeste brasileiro, numa fúria de preamar de crimes, tropelias e devastações. 
Quando se diz “cangaceiro”, eu me recordo do famoso, Jesuíno Brilhante, que fizera justiça com o trabuco, na falta daquela que deveria punir com a Lei. 
FALTA DA JUSTIÇA – A falta de Justiça, no interior do País, gerou esse fruto perigoso que foi o cangaceiro, irmão siamês do banditismo. Jesuíno Brilhante, no entanto, não foi um bandido, na expressão do termo; foi o homem do cangaço, rebelde contra os seus inimigos. Isso nos idos do Império e albores da República, tendo como cenário, municípios do interior norte-riograndense e paraibano. Esse cangaceiro-cavalheiro protegia os fracos, as mulheres e todas as vítimas das misérias daqueles tempos. 
Antônio Silvio foi cangaceiro, também, e, como rezam as histórias das suas façanhas, protegia os pobres, dava esmolas, defendia os injustiçados. Devassava com os seus cabras, emboscando e, algumas vezes, queimando as propriedades e matando seus inimigos. Quando entrava numa fazenda, povoado ou vila, pedia apenas abastecimento para continuar a luta a fim de não ser capturado. 
RIFLE PELO EVANGELHO – Deixou prole e alguns de seus filhos, são de hoje oficiais das nossas forças armadas. Na cadeia dizia haver trocado o rifle pelo evangelho e morreu manso e regenerado. Tornou-se cangaceiro para vingar a morte de seu pai, cujo matador ficara impune e sob a proteção de maiorais políticos. 
Cangaceiros houve no Nordeste, em várias épocas: gente que enfrentava de armas na mão os mandões e até a polícia que lhes dava caça. Não empregavam o chumbo das duas espingardas e garruchas, para o latrocínio, o massacre, o assassínio de populações inermes. Eram, antes de tudo, injustificados que se rebelavam contra a má justiça, que, ainda hoje, gera a revolta das consciências indene a corrupção moral. Há, entretanto, o bandido, ladrão e assassino, que usava e abusava da lei do sertão, para matar friamente, massacrar criaturas indefesas e inocentes, para destruir, roubar e violar mulheres. 
FIGURA DE SALTEADOR – Na fila sinistra desse tipo de bandido, está a figura torva de “Lampião”, – corvo asqueroso e feroz sicário sedento de sangue e salteador. Produto do tempo, que os tuxauas políticos do sertão bravio escoravam o seu poderio eleitoral na força brutal do cangaceiro misturado ao banditismo, pode Virgolino Ferreira, livremente, talar fazendas, povoados, vilas e até cidades. Os seus sequazes, recrutados nas paragens sombrias do Riacho do Navio, Serra Duman, Gruta do Diabo, Vila Bela, porteiras, antros de fanatismo, ignorância e crimes, constituíam a mais terrível malta de salteadores e bandidos. 
Bandido sim, o “Lampião” que hoje serve, o seu nome tenebroso, o seu estendal de crimes, de temas e assuntos para revistas, livros, radio e cinema. “Lampião” da “mulher rendeira”, cantiga que hoje muita gente boa vive a entoar, sem se aperceber de que ela contém o veneno mortal, destilado pela alma danada de um bronco, bruto e feroz que desconhecia as fronteiras da virtude e do mais elementar sentimento de piedade humana. Houve, realmente, de 1912 a 1030, clima propício ao vicejar dessa planta daninha e maldita que foi o banditismo nordestino. 
RAZÕES – As agitações políticas que abalaram os grandes centros do País as suas raízes plantadas no obscuro sertão. Os coronéis e chefetes políticos, de vilas e cidades, cercavam-se de contraventores da lei, a sua brigada de choque e paus para toda obra. Os afamados Contendas, os Dungas, os Zeinácios de Barro, os Maciés e caterva, foram chefes temidos pelo seu poderio nos rifles de assalariados. 
O banditismo oficializado tomou foros de coisas aceita de fato, nos vastos sertões do Nordeste, sendo Juazeiros a Meca das hordas bárbaras que iam receber a bênção do Padrinho Cícero. “Lampião”, ali, invernava com os sequazes, descansando, refazendo-se, e se reabastecendo de armas e munições que lhe eram ofertadas ou vendidas pelos seus agentes e protetores, existentes até nos meios “mantenedores da ordem”. Só depois que “Lampião” assaltou Mossoró e diante do movimento geral de repulsa e repercussão causada pela sinistra aventura, fracassada felizmente, e que se generalizou o combate ao banditismo no Nordeste, numa ação convergente de todos os governos. Uma caça às feras, constantes e sistemáticas foi estabelecida, até que, afinal, o tenente Bezerra deu cabo da vida ao quadrilheiro famoso pelas suas correrias sangrentas através de vasto trato do sertão nordestino. 
PLANO AUDACIOSO – Foi um ambiente favorável ao banditismo que se arquitetou o mais audacioso plano de assalto a uma cidade à margem do litoral potiguar. Muito distante do repelente hinterland onde imperava o trabuco a serviço do latrocínio, do assassino e das ambições criminosas de coronéis boçais e valentões de tocais – tradicional cidade da Libertação de 1883 – mansas, ordeira e pacífica, estava, por uma série de barreiras geográficas e morais, afastada de ser vítima de um assalto. 

Primeiro foi a velha Apodi, um mês antes do tenebroso 13 de junho de 1927. Velhas rixas políticas determinaram a horrível pilhagem de maio, insuflada e dirigida de longe por espúrios elementos sedentos de vinditas, sangue e latrocínio. Incêndios, mortes, roubos, terror foi a colheita rubra de um grupo de bandidos. 
Incentivo e encorajamento a outras empreitadas, foi o resultado do saque de Apodi. “Lampião” distante, foi convidado pelo carbonários desse crime nefando a tentar, em estilo maior, um assalto que o compensaria as canseiras da longa travessia. Dos sertões adustos de Pernambuco e Ceará, às fraldas cinzentas da Serra Mossoró, umas oitenta léguas, o grupo de “Lampião” troteou em boa cavalhada e armado até os dentes, desceu das serras escarpadas à planície verde dos carnaubais e oiticicas seculares, certo de fácil colheita em dinheiro e objetos de custo alto. 
É certo o ditado popular: “o boi manso aperreado arremete” certamente; uma centena de homens valorosos deu, em “Lampião” e em seu grupo de mais de oitenta cabras um carreiro desabalada, deixando mortos e feridos. O quadrilheiro de fama voltou à sua Caverna do Caco, para não mais voltar à boa terra de Poti. Em Limoeiro, no Ceará, foi recebido com farta mesa de boas comidas. Aqui, porém foram-lhe ofertados repastos de chumbo. 
Combatido, em toda a parte, sem tréguas nem estágios, o bandido feroz foi cedendo em audácia e força, como que amaldiçoado pela vítimas inocentes da maior e mais infeliz das suas tropelias, e aventuras sangrentas: o ataque à velha, tradicional, mansa, ordeira e operosa cidade de Santa Luzia de Mossoró. 
40 CABRAS DE LAMPIÃO TOMARAM PARTE NO ASSALTO A MOSSORÓ – José Leite, temível do grupo de Lampião, que no Rio de Janeiro fora ordenança de coronel Antônio Francisco de Carvalho, quando foi capturado, após o ataque frustado à cidade de Mossoró, teve oportunidade de conversar com o delegado de então a narrar certos fatos da vida errante que levava com seus companheiros de aventuras. 
A narrativa do bandoleiro foi, na época, explorada pelos jornalistas do jornal “O Mossoroense”, então órgão semanal, que se ocupou do fato, tecendo comentários sobre o cangaço, que nos serve para evocar certos e determinados aspectos da entrevista de José Leite, conhecido na vida criminosa do cangaço como Jararaca. 
HISTÓRIA – Ele fora ferido quando Lampião e seu grupo tentava tomar de assalto a residência do então prefeito Rodolfo Fernandes. Informou na entrevista que “um tiro desfechado por defensores tocaidos na torre da igreja de São Vicente atingiu meu companheiro Colchete. Corri para ajudá-lo o fui igualmente ferido. A bala atingiu meu pulmão direito. Parei e caí. Fiquei alguns minutos rolando pelo chão e com dificuldade me dirigi para a estação central, onde fui novamente ferido. Com imensa dificuldade, arrastei-me para a ponte ferroviária, onde em seus dormentes fiquei até que fui capturado e levado para a prisão”. 
ESTRATÉGIA – Conta Jararaca que Lampião dividira i bando em dois grupos, a fim de facilitar a tarefa de assalto. Um dos grupos recebia as ordens do próprio Virgolino Ferreira e outro de Massilon Leite. Os que estavam comandados por Lampião atacaram pelo lado do cemitério e cada cangaceiro dispunha de 400 a 500 cartuchos. 
GRUPO – Quando do ataque a Mossoró, ainda conforme narrativa de Jararaca, o bando contava com os seguintes elementos: Sabino, Massilon, Ezequiel, Virgino, Luiz Pedro, Chumbinho, José Delfino, Manuel Antônio, Á de Ouro, Candeeiro, Serra do Mar, Vicente Feliciano, Luiz Sabino, Fortaleza, Moreno, Euclides, Beija-Flor, Quindu, José de Souza, Trovão, Camilo, Bitivi do Cariri, Dois de Ouro, Jurema de Medeiros – pertencentes às famílias dos Nóbregas e Medriros do Sabugi – Paraíba, Sabiá, Pingo de Ouro, José Relâmpago, Vinte e dois e seus irmãos Lua Branca ,Antônio Cacheado, Pernambuco, Chá Preto, Barro Nova, Pai Velho, José Pretinho, Luiz Pedro, Mergulhão, Coqueiro e Vareda. 
REBATE FALSO – Jararaca, que é pernambucano, de Pajeu de Flores, e contava, na época, 26 anos de idade, segundo o relato, não demonstrava arrependimento do que fizera. Explicando por que decidira ser um fora da lei, disse ser “coisa da vida”. Considerava o cangaço coisa ruim e era um dos poucos que evitavam que seus companheiros de crime maltratassem os prisioneiros. 
Preso, com muitos curiosos por perto, tendo alguns mais exaltados, nas imediações da cadeia, ameaçando linchá-lo, o bandoleiro jamais se perturbou e a tudo olhava com um sorriso nos lábios. Após sua condenação, quando narrou os fatos, teve oportunidade de dizer que quando tempos depois, uma volante da polícia militar da Paraíba deu entrada na cidade, trajada à moda dos cangaceiros, houve uma correria geral, pois se pensava ser Lampião que voltava para libertar os prisioneiros e liquidar todos. O fato é que nada disso acontecia, pois o que “Lampião desejava, quando retornava ao local de qualquer massacre, era conseguir dinheiro a fim de subornar a polícia pernambucana”. 
PODER DO DINHEIRO – Contou Jararaca que na Polícia Militar da Paraíba existia um sangrento, o Kelê, que usava cabelos longos, como promessa que fizera de vingar um seu irmão, que fora assassinado por Lampião, quando ambos viviam no cangaço. Kelé, ex-cangaceiro, pertencente ao grupo de Jararaca, passara para a vida militar por dinheiro, pois o Governo da Paraíba esquecera seus crimes, lhe oferecendo o posto de sargento e a direção de uma “volante” para dizimar os bandidos.
CANGACEIRO: FRUTO DA FALTA DE
JUSTIÇA QUE IMPERAVA NO SÉCULO
PASSADO NO SERTÃO NORDESTINO

Reportag...