sexta-feira, 27 de setembro de 2013


NOITE DE GRANDE PRESTÍGIO PARA A FAMÍLIA GOSSON, NO BELÍSSIMO HOTEL MAJESTIC, COM OS AUTÓGRAFOS DE EDUARDO GOSSON, EM 26-09-2013.

O LUXUOSO E BELO HOTEL MAJESTIC, O COQUETEL FINÍSSIMO, UMA NOITE ILUMINADA PELAS ESTRELAS BANHADAS DE MAR E POESIA, SOB O BAFO DA BRISA NOTURNA.
OS LIVROS
OS AUTÓGRAFOS
EDUARDO ANTONIO GOSSON EM SUA PRESTIGIADA NOITE DE AUTÓGRAFOS
O AUTOR É DA DIRETORIA DO
INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RN
PREFEITO CARLOS EDUARDO, O AUTOR E SEU PRIMO ABDON GOSSON, PROPRIETÁRIO DO BELO HOTEL MAJESTIC
ABDON GOSSON - EMPRESÁRIO - PRIMO DO AUTOR
ESCRITORES DA UBE/RN - PAULO CALDAS NETO, EDUARDO E ALEXANDRE ABRANTES
HORÁCIO PAIVA, O AUTOR DA NOITE E O FILHO THIAGO GOSSON
MARLENE E MÁRCIA MAIA MENDES
ADOLESCENTES DA FAMÍLIA E A NETINHA DE EDUARDO GOSSON: REBECA.
NEWTON, ANNA MARIA E EDUARDO
SUELY MENEZES E O PREFEITO CARLOS EDUARDO
CARLOS EDUARDO E EDUARDO GOSSON
JANIA SOUZA (UBE/RN) E EDUARDO
MUITOS AUTÓGRAFOS
FILAS CURTAS PARA NÃO TUMULTUAREM O MARAVILHOSO AMBIENTE, APENAS CITANDO A DEPUTADA MÁRCIA, O ESCRITOR ROBERTO LIMA DE SOUZA E A ESPOSA SOCORRO, EDUARDO E UM PARENTE.
CONFRADES DA UBE/RN E DO IHG/RN
FRANCISCA GOSSON E EDUARDO GOSSON - PRIMOS
ESCRITORES: SEVERINO VICENTE E HORÁCIO PAIVA
ALEXANDRE ABRANTES, MANOEL ONOFRE JÚNIOR, HORÁCIO PAIVA E A ESPOSA, E SEVEREINO ICENTE.
ESCRITORES IVAM PINHEIRO, GEORGE VERAS, O AUTOR, EDGAR RAMALHO DANTAS E SUA ESPOSA ZENIA. 
ESCRITORA RIZOLETE FERNANDES, PRESTES A EMBARCAR PARA SALAMANCA
AMIGOS DO BEM QUERER DE EDUARDO
BIA, ALICE E KÁTIA ABRANTES, COM ATENÇÕES À PEQUENINA QUE PREFERIU FICAR NO HALL DO HOTEL.
ESCRITORES: ADALBERTO TARGINO, EDUARDO E GIANINE CUNHA COSTA QUE LEVOU UMA PLAQUETE SOBRE A VIDA E OS BONS ACONTECIMENTOS AO LADO DO SEU ANJO QUE VIVEU ANTES DE COMPLETAR 34 AN OS. UMA HOMENAGEM DO CORAÇÃO.
OS TÃO QUERIDOS: AFONSO E LUCINHA
LUCIA HELENA E ABDON GOSSON
EDUARDO FELIZ ENTRE AMIGOS E PARENTES.
ESCRITORES DA UBE/RN - PAULO CALDAS NETO, EDUARDO GOSSON E ALEXANDRE ABRANTES
FRANCISCA GOSSON (MINHA EX-COLEGA DO CIC, ALIÁS, COM UMA BLUSA LINDÍSSIMA EM DETALHES BRANCOS) E A HOSTESS - SUELY.
SUELY, MÁRCIA E MARLENE

AO FINAL DOS AUTÓGRAFOS, EDUARDO GOSSON FAZ BREVE RETROSPECTIVA DA FAMÍLIA GOSSON NO BRASIL, SOBRETUDO NO RN, E, AO FINAL, UMA SINGELA HOMENAGEM AO FILHO FALECIDO, COM UM JOGRAL SOBRE FAUSTO GOSSON, QUE ADORMECEU PARA SONHAR. DELE PARTICIPARAM: ALEXANDRE ABRANTES, GUTENBERG COSTA, AS MENINAS BIA E REBECA, PAULO CALDAS E LÚCIA HELENA. MOMENTO DE GRANDE EMOÇÃO.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013


Bob Furtado
----- : Enc: Essa é para Amigo Ler!!!

Um jovem recém-casado estava sentado num sofá num dia quente e húmido,
bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.
- Nunca se esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos..

Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...

Que estranho conselho! Pensou o jovem.. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo que necessito para dar sentido à minha vida!

Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos. Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava. Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes de sua vida.
Passados 50 anos, eis o que aprendi:

O Tempo passa.
A vida acontece.
A distância separa..
As crianças crescem.
Os empregos vão e vêm.
O amor fica mais frouxo.
As pessoas não fazem o que deveriam fazer.
O coração se rompe.
Os pais morrem.
Os colegas esquecem os favores.
As carreiras terminam.
Os filhos seguem a sua vida como você tão bem ensinou
 
MAS... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.
Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando você de braços abertos, abençoando sua vida!

Quando iniciamos esta aventura chamada VIDA, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.

Remeta este texto a todos os amigos que ajudam a dar sentido à sua vida...

Eu já estou fazendo!

Gente do nosso tempo (I)

João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, sócio do IHGRN e do INRG
De costume, e por preferência, tenho pesquisado e publicado, neste jornal, registros genealógicos dos nossos povoadores mais antigos. Nossos leitores me contam que, mesmo desconhecendo as pessoas citadas, gostam de saber sobre o passado. Talvez, na intenção de encontrar um ascendente. Mas, necessitando buscar maiores informações sobre descendentes de antigos moradores da nossa Freguesia, pesquiso, muitas vezes, registros mais recentes. Aí, encontro gente do nosso tempo, que talvez nem saiba de onde vieram seus ascendentes. Por isso, vou trazer para este espaço, também, registro de pessoas conhecidas. Assim, talvez possamos melhorar o elo com o passado mais antigo. Como algumas dessas pessoas ainda são vivas, evitarei citar a data exata do nascimento.

Zé Eduardo, amigo de muitos anos, e colega, por diversas vezes, na UFRN, Governo do Estado e Prefeitura Municipal do Natal, é o primeiro da lista. José Eduardo de Almeida Moura nasceu, em Natal, no ano de 1947, e foi batizado nesse mesmo ano, na Catedral de Nossa Senhora da Apresentação, pelo seu tio, o Reverendo Padre Pedro de Moura (autor de livros sobre o Rio Grande do Norte), no dia de Nossa Senhora da Conceição. Filho legítimo de Ezequiel Rebouças de Moura, comerciante, e de sua esposa D. Angélica de Almeida Moura, professora (foi diretora do Atheneu), neto paterno de Gonçalo Ismael de Moura e Josefa Rebouças de Moura e, materno de Heitor Góis de Almeida e Maria Alinda Lagrota de Almeida Bastos. Foram padrinhos Ângelo Lagrota de Almeida Bastos e Santa Inez Rebouças de Moura. Nessa época os pais residiam na Rua José de Alencar, 724, como também o padrinho Ângelo. Já Santa Inez residia na General Ozório, 256.

Tó, como era conhecido, amigo de infância, residia na esquina da Hermes da Fonseca com a Ezequias Pegado na casa de seus pais Seu Gaspar e Dona Aparecida. Do seu registro tiramos o que se segue: Antonio Neto Gaspar nasceu em Paulista, Pernambuco, no ano de 1943, e foi batizado nesse mesmo ano na Igreja do Tirol, pelo padre Esmerino Gomes da Silva. Filho legítimo de Henrique Marques Gaspar (português) e de sua esposa D. Maria Aparecida Neto Gaspar. Foram padrinhos, seu tio, José Arnaud Gomes Neto (foi Deputado Federal) e sua esposa D. Elza Câmara (filha do Senador João Câmara).

Zé Wilson, outro amigo de infância, que morava na Hermes da Fonseca, em frente ao Colégio Maria Auxiliadora, era primo de Tó. O pai de Zé era irmão da mãe de Tó. José Wilson Arnaldo nasceu, em Baixa Verde, no ano de 1946, e foi batizado no dito ano, no Santuário do Tirol, pelo monsenhor José Alves Landim. Filho legítimo de José (Wilson) Arnaldo Gomes Neto, funcionário público, natural de Santa Cruz, e de sua esposa D. Maria Terezinha da Câmara Gomes Neto, doméstica, natural de Baixa Verde, onde residiam, neto paterno de Dr. Arnaldo Gomes Neto (Recife) e Anna Carmelita Gomes Neto (Santa Cruz); e materno de Antonio Severiano da Câmara e Ana Soares da Câmara. Foram padrinhos Dr. Arnaldo Gomes Neto, magistrado, viúvo, e D. Ana Pereira da Cunha Mello, casada, residentes em Natal. Anna Carmelita era neta materna (através de Maria Felentina de Medeiros Rocha) de Felix Antonio de Medeiros (São João de Sabugi) e de Thereza Duquesa de Farias. Maria Felentina era irmã de Maria do O’, mãe do meu sogro Francisco Umbelino Neto.

Marco Aurélio, que lança um livro esta semana sobre o pai, Dr. Floriano Cavalcanti, nasceu em 1936, sendo batizado, em oratório privado, no mesmo ano. Filho legítimo de Dr. Floriano Cavalcanti e Dulce de Moura Cavalcanti, teve como padrinho Dr. Luiz Antonio Ferreira Souto dos Santos Lima. Alguns registros são pobres em informações, como é o caso deste de Marco Aurélio.

O deputado estadual Agnelo Alves nasceu em Ceará-mirim, no ano de 1932, mas foi batizado, na Catedral, no ano de 1933. Filho legítimo de Manoel Alves Filho e Maria Fernandes Alves teve com padrinhos Francisco (Quinho) Chaves e Natércia Pinheiro Chaves. Este último casal batizou, em 1933, na Catedral, Elói Chaves, nascido em 1932, sendo os padrinhos Militão Chaves e Britalda Chaves.

Um dos meus professores, no curso de Bacharelado em Matemática, foi Joaquim Elias de Freitas. Ele nasceu em 1941, mas foi batizado, somente em 1943, na Catedral. Era filho legítimo de Joaquim Pinheiro de Freitas, que faleceu em 1942, e de sua esposa D. Maria Carolina de Freitas, natural de São José de Mipibu, neto paterno de Rafael Arcanjo de Freitas e Francisca Ferreira de Freitas; pelo lado materno de Pedro Afonso de Barros e Josefa Rodrigues de Barros. Foram seus padrinhos Pedro José Lagreca, comerciante e sua esposa D. Ignez Freire Lagreca.

Gildecina (nome composto) nasceu aos 24 de outubro de 1932, e foi batizada na Catedral aos 8 de dezembro do mesmo ano. Era filha de Gildenor Monteiro Alves Bezerra e Gercina Henriques Bezerra. Teve com padrinhos João Baptista Alves Bezerra e Felisbella Diniz Henriques. A professora Gildecina Henriques Bezerra faleceu no ano de 1966. Era irmã de Gilda (Gildegerci, outro nome composto) Avelino, viúva do poeta Gilberto Avelino, e sobrinha do escritor Afonso Bezerra. Elas descendem de Ana Jovina da Costa Bezerra, minha tia-bisavó, e seu marido Antonio Pedro Alves Bezerra.
Padre Esmerino no Centro, Felentina, a segunda depois do padre, indo para a direita.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Hipotenusa: Gente do nosso tempo (I)

Hipotenusa: Gente do nosso tempo (I): João Felipe da Trindade ( jfhipotenusa@gmail.com ) Professor da UFRN, sócio do IHGRN e do INRG De costume, e por preferência, tenho pes...

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A DIRETORIA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RN, MAIS UMA VEZ REUNIDA, NESTA SEGUNDA, 23 DE SETEMBRO DE 2013.


PRESIDENTE
VALÉRIO MESQUITA (PRESIDENTE) E RACINE SANTOS (CONVIDADO)
INTEGRANTES DA DIRETORIA DO IHG/RN
RACINE SANTOS
EDGARD RAMALHO DANTAS, PAULO PEREIRA DOS SANTOS E CARLOS GOMES
ORMUZ SIMONETTI, CLAUDIONOR BARBALHO E TOMISLAV FEMINICK

ORMUZ SIMONETTI, CARLOS ADEL, CLAUDIONOR BARBALHO E EDGARD RAMALHO DANTAS

LÚCIA HELENA PEREIRA E OS QUERIDOS CONFRADES: GEORGE VERAS E CLAUDIONOR BARBALHO
APÓS A REUNIÃO OS FESTEJOS DE LUCINHA, ESCUDEIRA FIEL DO IHG/RN, COM UMA MESA DE SALGADINHOS E A TORTA MARAVILHOSA, PRESENTE DO CONFRADE JURANDYR NAVARRO  QUE NÃO PODE PARTICIPAR.
LÚCIA, NOSSO BRAÇO FORTE NO IHG/RM - A ANIVERSARIANTE.
LÚCIA E LÚCIA HELENA
PARABÉNS, LUCINHA, VOCÊ É PERSONA GRATA DO INSTITUTO, COMO JÁ DIZIA ENÉLIO LIMA PETROVICH.


INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE-IHGRN ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 23 DE SETEMBRO DE 2013, LOCAL: Rua da Conceição, 622 - Centro - Cidade Alta, CEP 59.025-270 - Natal - Rio Grande do Norte.
 Presenças: DIRETORIA: Presidente: VALÉRIO ALFREDO MESQUITA; Vice-Presidente: ORMUZ BARBALHO SIMONETTI; Secretário-Geral: CARLOS ROBERTO DE MIRANDA GOMES; Secretário-adjunto ODÚLIO BOTELHO MEDEIROS; Diretor Financeiro: GEORGE ANTÔNIO DE OLIVEIRA VERAS; Diretor da Biblioteca, Arquivo e Museu: EDGARD RAMALHO DANTAS; Diretor Orador ADALBERTO TARGINO; Membros do Conselho Fiscal: TOMISLAV FEMENICK, PAULO PEREIRA DOS SANTOS e LÚCIA HELENA PEREIRA e dos sócios CLAUDIONOR BARBALHO, CARLOS ADEL e RACINE SANTOS. Justificativas: Não Presenças: DIRETORIA: Presidente: VALÉRIO ALFREDO MESQUITA; Vice-Presidente: ORMUZ BARBALHO SIMONETTI; Secretário-Geral: CARLOS ROBERTO DE MIRANDA GOMES; Secretário-adjunto ODÚLIO BOTELHO MEDEIROS; Diretor Financeiro: GEORGE ANTÔNIO DE OLIVEIRA VERAS; Diretor da Biblioteca, Arquivo e Museu: EDGARD RAMALHO DANTAS; Diretor Orador ADALBERTO TARGINO; Membros do Conselho Fiscal: TOMISLAV FEMENICK, PAULO PEREIRA DOS SANTOS e LÚCIA HELENA PEREIRA e dos sócios CLAUDIONOR BARBALHO, CARLOS ADEL e RACINE SANTOS. Justificativas: Não houve. ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS: O Presidente Valério Mesquita iniciou os trabalhos pelas 9:30 horas prestando informações da forma seguinte: 1) Iniciamos concedendo a palavra ao confrade Racine Santos, que veio apresentar o projeto para publicação da Revista do IHGRN trimestralmente, mediante patrocínio da Lei Câmara Cascudo, com planilha de custos, prazos e planejamento em geral, tudo conforme exaustivamente demonstrado no referido projeto. Após discutida a matéria exaustivamente,a Diretoria, por unanimidade aprovou o Projeto, mediante a complementação de alguns dados, agradecendo o trabalho do confrade Racine Santos; 2) Sobre o Convênio com a CAERN foi recebida uma parte do material adquirido e já recebido neste Instituto; 3) A Emenda Coletiva objeto de Convênio com a Fundação José Augusto, como todos sabem, teve a sua formalização, mas estancou no CDE. Contudo, o Senhor Paulo Freire, assessor do Deputado Agnelo Alves, esclareceu que esse tipo de emenda é obrigatório o pagamento e não deveria ser sustada a tramitação do processo, devendo agora merecer a sua continuidade, com as necessárias atualizações. Quanto ao Deputado Agnelo ficou de destacar o valor de R$ 50.000,00 para liberar em favor do IHGRN ainda neste exercício; 4) Concedida a palavra ao confrade Tomislav comunicou que hoje, 15,30 horas teremos uma audiência da Diretoria com o empresário Marcelo Alecrim para tratar de possível Convênio com o Instituto e o Grupo SAT. O outro assunto foi sobre a ajuda FIERN, cujo assunto está sendo esclarecido com Ormuz. Ainda, sobre o scanner, Fernando Bezerra aventou a possibilidade de haver um Consórcio (FIERN, FECOMÉRCIO e UFRN), esta se necessário, para a sua aquisição e colocação em comodato ao IHGRN, tudo mediante uma audiência com as entidades envolvidas, sendo aprazada, inicialmente, para 1º de novembro vindouro; 5) Sobre o compromisso com a Assembleia Legislativa ainda hoje teremos uma informação atualizada, conforme contato entre o confrade Carlos Gomes e Frederico Magnus; 6) Foram distribuídos convites para os lançamentos dos seguintes livros: Dia 26, às 19 horas no Hotel Magestic - “Crônicas da Família Gosson”; dia 27 “Desembargador Floriano Cavalcanti”, de autoria do seu filho Marco Aurélio Cavalcanti, às 19 horas na Livraria Saraiva; dia 4 de outubro o livro de Gileno Guanabara sobre a Cidade do Natal, às 19 horas na Capitania das Artes. No mesmo dia, no Iate Clube, às 18 horas, o livro “Pescaria” de autoria de Waldecir Santiago. No dia 30 de outubro, às 19 horas na Pinacoteca do Estado o lançamento do livro do Presidente Valério Mesquita denominado “Presságios e Travessias”; Nada mais havendo a tratar agradeceu a presença dos diretores e encerrou a reunião, convocando nova reunião ordinária na próxima segunda-feira. 
Para constar, eu,___________________________ CARLOS ROBERTO DE MIRANDA GOMES, Secretário-Geral do IHGRN, lavrei a presente Ata, que após lida e aprovada vai assinada pelos presentes. Presidente: VALÉRIO ALFREDO MESQUITA Vice-Presidente: ORMUZ BARBALHO SIMONETTI Secretário-Geral: CARLOS ROBERTO DE MIRANDA GOMES Secretário-adjunto ODÚLIO BOTELHO MEDEIROS Diretor Financeiro: GEORGE ANTÔNIO DE OLIVEIRA VERAS Diretor da Biblioteca, Arquivo e Museu: EDGARD RAMALHO DANTAS Diretor Orador ADALBERTO TARGINO Conselho Fiscal: TOMISLAV FEMENICK PAULO PEREIRA DOS SANTOS LÚCIA HELENA PEREIRA

Lançamento do livro "Crônicas da família Gosson", do escritor Eduardo Gosson



NO PRÓXIMO DIA 26-09, LANÇAMENTO DO LIVRO: "CRÔNICAS DA FAMÍLIA GOSSON", DA AUTORIA DO ESCRITOR EDUARDO GOSSON.

Neste livro que será publicado em 26 de setembro 2013, última quinta-feira,, às 19h, no Hotel Majestic (de propriedade da família), escrito pelo poeta e escritor Eduardo Gosson, presidente da União Brasileira de Escritores – UBE/RN, vol. 04 da Coleção Bartolomeu Correia de Melo (prosa) do selo editorial Nave da Palavra, o autor conta, através de crônicas comoventes,cheias de lirismo, a história da sua família (Gosson) desde a vinda dos avós para o Brasil no ano de 1925 (imigrantes libaneses),passando pelos pais, tios, filhos e netos de forma leve. Foge ao padrão dos livros de genealogia. Pura poesia em forma de crônica.

Segundo a poeta e crítica literária Valdenides Dias, da Universidade Federal do RN – Campus de Currais Novos: “A suavidade com que você ata o fio da vida ao da morte me emociona. Mesmo poeticamente falando, dói. Tanto.”. Por sua vez, o poeta Horácio Paiva, afirma: “Você consegue expor a subjetividade de suas emoções com muito realismo – e alia tudo à nostalgia,às lembranças das pessoas e da cidade que passou...”. Avalizaram a presente obra o escritor português Carlos Morais dos Santos que assinou o Prefácio, Walter Cid que fez a Apresentação e a escritora Anna Maria Cascudo Barreto que escreveu as Orelhas. Para a filha de Cascudo: “Finalmente hoje participo já como escritora e acadêmica da União Brasileira de Escritores na sua diretoria. Encontro Eduardo Gosson, poeta e escritor, um batalhador cultural. Vejo-o como a síntese da família, naquilo que eles possuem de mais sólido. Seu sobrenome significa “árvore frondosa” em árabe. Ele é o somatório das virtudes adquiridas em terras brasileiras. Tem a simplicidade dos múltiplos, o brilhantismo dos modestos. Um líder, descobridor e incentivador de talentos. Incapaz de um sentimento menor. Pai amantíssimo. Avô fascinado. Excelente marido. Amigo como poucos.

Surgiu na vida como um sol que não admite sombras nem se deixa tolher pelas tempestades. Vive buscando a luz do paraíso da igualdade. Seu corpo frágil disfarça o gigante de esperanças. Pássaro que voa feliz apesar das correntes de ar contrárias. Acredita, como Esopo (século VI a.C.” ) que “a união faz a força”. Seu comunismo resulta no amor ao próximo. Sem buscar recompensas. Sua meta é erguer pontes quando só existiam paredes.”

SERVIÇO:

Lançamento do livro Crônicas da família Gosson
Selo editorial Nave da Palavra da União Brasileira de Escritores e exposição comemorativa de Fausto Gosson – um ano de saudades!
Data: 26.09.2013 (quinta-feira)
Hora: 19h
Local: Hotel Majestic sito à Av. Roberto Freire, 8860 – Ponta Negra. Após ultrapassar a Feira de Artesanato que fica em frente ao semáforo é o primeiro hotel à direita, vizinho ao Only Pizza. Tem estacionamento no hotel e, ao lado, há um terreno baldio, que é estacionamento
Valor do livro: R$ 30,00

domingo, 22 de setembro de 2013


A dimensão de um estadista
Cláudio Emerenciano (Professor da UFRN)

 
As mudanças são precedidas de sonhos. É o triunfo do espírito e da luz. Em todo e qualquer lugar. A humanidade dá saltos e retoma sua marcha de evolução. Sempre inspirada em utopias. Que moldam novas realidades e deixam suas marcas. Os laços humanos dão sentido e força às formas de aprimoramento individual e coletivo. Quanto mais se eliminem os grilhões e a degradação do homem, mais largo é o caminho de realização dos sonhos, que se amontoam e se renovam desde o nascer dos tempos. Viver é mudar lentamente. Crescer em todas as dimensões. Sempre e sem descontinuidade numa ascensão cultural, ética, moral e espiritual. A busca da Luz.
 Não importam o tempo e o espaço onde desabrocham, formam-se e se revelam a vocação, o caráter, a visão e a consciência cívica de um estadista. De um pequenino lugar, num amontoado de casas, que abrigam homens, mulheres e crianças, ao qual dão o nome de vila, povoado, cidade pequena ou lugarejo, com relações humanas marcantemente típicas e provincianas, chantadas e vinculadas à terra e à natureza, suas crenças, seus desafios e seus sonhos se confundindo com o usufruto peculiar da vida, desponta alguém que, um dia, há de revolucionar, mudar, dignificar e opulentar sua pátria e seu povo. Essas pessoas, que se agigantam ao longo da vida por servir e ampliar o bem comum, agregando também conhecimentos, valores, ideais, exemplos, percepções e caminhos novos à sociedade, enquanto vivem tipificam o ser estadista. Assim foi Juvenal Lamartine de Faria. Desde os tempos como aluno do padre e senador Britto Guerra em Caicó. Até à construção do legado como professor, jurista, homem público, legislador, tribuno, sociólogo, escritor, jornalista e memorialista. O caráter e o sentido da modernidade repousam na partilha e evolução do que é bom para todos. Pelo menos no essencial - dizia o gênio inimitável de André Malraux. Ensejando sua ascensão em todos os sentidos. Há líderes que revelam e encarnam sentimentos nacionais. Ou expressam um estado de espírito comum a um povo, nações e até a uma civilização. Ou ainda mais: interpretam, durante algum tempo, em circunstâncias excepcionais, o clamor e as esperanças do gênero humano. Que podem manifestar-se, singularmente, num lugar, numa região ou num país. Até alçar-se à universalidade.
O Rio Grande do Norte e o Brasil devem muito a Juvenal Lamartine de Faria. Antes de governar o nosso Estado, como deputado e senador, ombreado a Eloy de Souza e José Augusto, propôs soluções definitivas para a região nordestina, particularmente no semi-árido. Aluno e discípulo de Clóvis Beviláqua na tradicional Faculdade de Direito do Recife, mais tarde, como deputado, colaborou com o mestre na elaboração do Código Civil Brasileiro, sobretudo na parte relativa ao Direito das Coisas. O grande José Augusto Bezerra de Medeiros, primo e seu antecessor no governo do Estado, assim resumiu o depoimento sobre sua atuação: “Lamartine ocupou todas as funções eletivas no Rio Grande do Norte. Executivo, chegou a governador. Legislativo –deputado e senador federal, e Judiciário, como juiz de Direito de Acari. Em qualquer desses três ramos da atividade pública ele foi uniforme, isto é, só tinha uma diretriz – o cumprimento do dever”. Lamartine, pioneiramente no Brasil, através do deputado estadual Adauto Câmara, institucionalizou o voto feminino no Rio Grande do Norte. (na época a legislação eleitoral era estadual). Também foi responsável por transformar o nosso Estado (de 1926 a 1930) num pólo da aviação civil, com campos de pouso em quase todos os municípios. A ele se deve as gestões e ações que resultaram na escolha de Parnamirim para sediar um grande aeroporto. Seu governo deflagrou uma revolução urbanística em Natal, apoiando o prefeito Omar O’Grady e o urbanista Giácommo Palumbo na concepção e implantação do primeiro plano diretor, demarcando-se para a posteridade seus bairros, ruas e avenidas. Redes de saneamento foram iniciadas e uma agressiva implantação de açudes e poços tubulares, retomadas no governo de Rafael Fernandes, cinco anos depois de sua deposição pela Revolução de 30. Curiosamente, Juvenal Lamartine professava os ideais do Movimento, mas se manteve leal ao Presidente Washington Luís, de quem era amigo e exercera a função de seu líder no Senado. Em 1927, Washington Luís o convidou para ser ministro da Fazenda. O convite foi recusado por preferir governar o Estado. Poucos políticos foram tão perseguidos por Getúlio Vargas quanto Lamartine, provocando seu exílio na França de 1930 a 1933.  Ao retornar, organizou com José Augusto e Eloy de Souza, entre outros, o Partido Popular. Parafraseando Tancredo Neves: “O exílio era o toque que faltava para compor a imagem histórica de Juvenal Lamartine”. Um homem com a dimensão de estadista.                

sábado, 21 de setembro de 2013


Cordeiros e Carneiros


João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Professor da UFRN, sócio do IHGRN e do INRG

As mesmas águas, que fizeram submergir a Ilha de Manoel Gonçalves, expulsaram de lá seus habitantes e visitantes para diversas localidades, como Macau, Pendências, Oficinas, Rosário, Cacimbas do Viana, Curralinho e outras tantas. As coisas da natureza e a natureza das coisas vão tecendo o destino das pessoas, juntando-as e separando-as, tudo ao mesmo tempo. A cada instante, o mundo é redesenhado. O caos reordena a natureza.

Aquele porto, no meio do mar, onde tantas embarcações ancoravam e por onde tantas pessoas, das mais diversas nacionalidades e localidades circulavam, com seus negócios e afazeres, jaz submerso no oceano e esquecido pelas autoridades. Nem um farol e nem um marco está presente onde foi a nossa Atlântida. Por onde andam os remanescentes daquele povo que transitava ou residia na Ilha esquecida? Quantos sabem que seus antepassados passaram por lá?

Pesquisando em velhos livros da Cúria, vou repassando a antiga história do nosso povo e dos nossos heróis esquecidos. Vez por outra encontro, através de seus descendentes, velhos conhecidos. Em uma dessas viagens, nos livros da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação, encontro o batismo de Eliziário, que me fez recordar o lisboeta Eliziário Antonio Cordeiro, lá da Ilha de Manoel Gonçalves. Paro e vou examinar o registro, em busca de algum elo com o povo que lá vivia.

Aos vinte e três dias de junho de mil oitocentos e setenta e três, o Reverendo Coadjutor Pro-Pároco Joaquim Francisco do Nascimento batizou solenemente Eliziário, nascido a seis de maio do mesmo ano, filho legítimo de Manoel Martins de Oliveira e Rita Xavier Bezerra. Padrinhos, o Reverendo Padre Francisco Constâncio da Costa e Francisca Jeracina Cordeiro. E para constar fiz este assento. José Herôncio da Silveira Borges, Coadjutor Pro-Pároco.

Esse Manoel, acima, deve ser o filho de Eliziário Antonio Cordeiro e Antonia Silvéria de Oliveira, ele de Lisboa, ela da Serra de Martins, que nasceu aos trinta de outubro de mil oitocentos e trinta, e foi batizado na Ilha de Manoel Gonçalves. Nas minhas hipóteses, Antonia Silvéria de Oliveira era filha do capitão Silvério Martins de Oliveira e Joanna Nepomucena. Dona Joana, que viúva residiu um tempo na Ilha, era filha do capitão Manoel Ignácio de Carvalho e Anna Josepha Joaquina de Albuquerque, residentes na Serra de Martins. Lembramos que o capitão Silvério e Dona Joana  foram sepultados na Igreja do Bom Jesus das Dores, aqui na Ribeira do Potengi.

Um dos filhos de Eliziário, com o mesmo nome, casou em 1869, na Barra de Mossoró, com sua parenta Antonia Cordeiro de Carvalho, filha de Gorgonio Ferreira de Carvalho e Anna Joaquina Cordeiro.

Em outro registro encontro que aos vinte e oito de dezembro mil oitocentos e três, era batizado Raymundo, que nasceu aos vinte e sete de novembro do mesmo ano, filho de José Martins Cordeiro e Victoriana Joaquina Pinheiro, tendo como padrinhos Pedro Liberato Bimont e dona Maximiana Synphronia da Costa. Esse José Martins deve ser, também, um dos filhos de Eliziário Antonio Cordeiro e Antonia Sivéria.

Raymundo, que virou Raymundo Rodrigues Cordeiro, casou em 30 de novembro de mil oitocentos e noventa e cinco, aqui na Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, com Francisca Viterbina Gomes Carneiro, filha de João Viterbino Gomes Carneiro e Maria Florentina Carneiro de Mello, perante as testemunhas Nicoalu Bigois e Luis Ferreira França.

Esses Carneiros são velhos conhecidos nossos. João Viterbino e Maria Florentina casaram em 1871, com dispensa de consanguinidade, ele filho de Manoel Gomes Carneiro e Francisca Xavier de Miranda Henriques, e ela filha de João Gomes Carneiro de Melo e Anna Joaquina Teixeira de Souza, que viveram um tempo em São Gonçalo e, depois, foram para Cacimbas do Viana. Francisca Bela, uma irmã de Maria Florentina, foi batizada em Macau, em 1848, e casou na Fazenda Conceição, em 1864, com meu tio-bisavô Cosme Teixeira Xavier de Carvalho. Maria Leocádia, outra irmã de Maria Florentina, casou em Angicos, em 1861, com José Odorico da Costa Ferreira, filho de Antonio Martins Wladislau da Costa e Antonia Teixeira de Sousa.

Em outro artigo já discutimos que João Gomes Carneiro de Melo descendia do lisboeta João Gomes Carneiro e de dona Anna Ferreira de Miranda.
Você que é Cordeiro ou Carneiro pode descender desses portugueses. Você já encontrou seus passos no passado?