sexta-feira, 31 de julho de 2015

Heleno  o  Extraterrestre

Jansen Leiros*

J


O tempo passara e o grupo especial, liderado por Plathus, continuou a reunir-se no topo da montanha, lugar carinhosamente chamado pelos transcendentes, como grupo de estudos:  “ Refúgio de DEUS”.

Numa bela manhã de domingo, com a presença plena do grupo habitual  e de um visitante ilustre, o coelhinho IHON, que raríssimas vezes frequentava as reuniões da montanha, após os exercícios habituais,  fizera o seguinte comentário:
“Amigos, durante a meditação de hoje, fui projetado do corpo somático e flutuei a uns cem metros de altura. Nesse momento, aproximou-se de mim um ser de aparência tranquila, o qual me convidou a segui-lo num passeio pela Via Láctea.  De tão surpreso, não cheguei a articular  nenhuma palavra, mas pensei na extensão do percurso e receei pelo tempo.  De imediato, aquele ser estranho, mas sereno e seguro no seu todo, me respondeu: 
“Plathus, estaremos fora da dimensão do tempo.  Não se aflija. Mantenha-se sereno.”
 Saímos a volitar – prosseguiu a narrativa. De princípio, começamos a contemplar aquela faixa leitosa de luminosidade difusa, que assemelhava-se a uma estrada sideral de poeira translúcida – o arroio de leite da antiga mitologia helênica. O primeiro impacto é indescritível. Um mundo de emoções nos invade o espírito e envolve – nos uma contundente sensação de pequenez.
Aquiete sua alma, Plathus. Você não sabe que fomos criados à imagem e semelhança de Deus? Relaxe e integre-se Nele!
-  Vou tentar! Respondi-lhe!
- Para acalmar-me – prosseguiu Plathus – ele começou serena e pausadamente a discorrer sobre a Via Láctea:
“Plathus! Nossa galáxia abriga bilhões de sóis. Milhões de vezes mais importantes e mais luminosos do que o nosso sol.  Imagine um gigantesco jardim de flores solares e planetários que integram e iluminam toda sua extensão.  Apreciando essa beleza, sideral, que é uma entre os bilhões de galáxias do Universo, você terá  somente uma pálida ideia da grandeza de DEUS, pela inexperiência e desconhecimento das leis siderais. Daí, se infere como é minúscula a Terra e como são inexpressivos os seres que nela habitam neste momento.   Por consequência, você terá uma relativa ideia de hierarquia, não só em razão da grandeza volumétrica dos corpos celestes, mas, principalmente, sobre o nivelamento moral dos planetas – enquanto moradia – e o conteúdo ético dos seres que lhe são comandatários.  Se quisermos aprofunda esse entendimento basta refletirmos  no fato de que  nossa Via Láctea é uma insignificante nebulosa estrela, diante do incomensurável número de outros que povoam as profundezas insondáveis do Universo.  Nosso sistema solar, é minúsculo componente deste caudal cósmico.  Milhares e milhares existem com mais importância no concerto sideral.  Hoje, nosso é fazer uma viagem corrida para lhe dar uma ideia de extensão.  Noutras oportunidades, e seguindo o planejamento para este procedimento educativo, iremos particularizar nossos estudos.  E, após essa primeira excursão, que me pareceu um século, trouxe-me de volta à Terra e retomei o corpo, despertando daquela projeção, com a mente em altíssima rotação pelo tanto que  vi e vivenciei
É interessante – disse o coelhinho IHON  como a cronologia da vida planetária parece-nos programada. Hà muito tempo, quando a humanidade ainda engatinhava pela superfície, coube a Hermes T restabelecer uma doutrina preexistente  nos primórdios do planeta , para considerar o Sol como centro do Universo.  A seguir, Nicolau Copérnico revolucionou a astronomia, formulando a célebre teoria heliocêntrica. Logo a seguir, Tycho Brahe divulgou suas observações sobre o movimento dos astros e Kepler sedimentou o caminho para que Newton anunciasse a lei da gravitação universal. 
Nesse exato momento, Plathus levantou-se e, erguendo os braços para o céu, disse a seguinte prece:

DEUS DE INFINITA BONDADE,
ABENÇOAI-NOS ESTE DIA!
PERMITI QUE OS ENSINAMENTOS HOJE RECEBIDOS
MERGULHEM FUNDO EM NOSSAS ALMAS E QUE A ESSÊNCIA UNIVERSAL QUE HABITA EM NÓS,
FAÇA MORADA EM NOSSOS CORAÇÕES E EM NOSSOS ARQUIVOS CÓSMICOS,
AD ETERNUM!

Jansen Leiros*


Da Academia Macaibense de Letras;
Da Academia Norte Rio Grandense de Trovas;
Da União Brasileira de Escritores;
Do Instituto Norte Rio Grandense de Genealogia;
Do Instituto Histórico e Geográfico do RN.   





quinta-feira, 30 de julho de 2015



Crear en Salamanca

ENTREVISTA AL NOTABLE POETA LUSITANO ANTÓNIO SALVADO. POR MIGUEL NASCIMENTO


1 António Salvado, por Miguel Elías 
António Salvado, por Miguel Elías


Crear en Salamanca tiene el privilegio de publicar por vez primera, y en portugués, la entrevista que Miguel Nascimento ha realizado a uno de los más destacados poetas del país vecino, rico en lírica de calidad. Salvado está muy ligado a Salamanca desde hace unos treinta años. Aquí se la publicado varias antología y poemarios traducidos por el poeta Alfredo Pérez Alencart, profesor de la Universidad de Salamanca y dilecyo amigo suyo. En varias ocasiones ha recibido homenajes de las dos universidades y del propio Ayuntamiento de Salamanca. Recordable es el dedicado dentro del XIII Encuentro de Poetas Iberoamericanos, celebrado en 2010, donde apareció la amplia antología titulada ‘La hora sagrada’.
1B Antonio Salvado y Miguel NascimentoAntonio Salvado y Miguel Nascimento



Obra poética do autor
A Flor e a Noite, 1955; Recôndito, 1959; Na Margem das Horas, 1960; Narciso, 1961; Difícil Passagem, 1962; Equador Sul, 1963; Anunciação, 1964; Cicatriz, 1965; Jardim do Paço, 1967, Tropos, 1969; Estranha Condição, 1977; Interior à luz, 1982; Face Atlântica, 1986; Amada Vida, 1987; Des Codificações, 1987, Matéria de Inquietação, 1988; Soneto em Lembrança de João Roiz de Castelo Branco, 1989; Utere Félix, 1990; Nausicaa, 1991; O Prodígio, 1992; Dis Versos, 1993; O Corpo do Coração, 1994, Estórias na Arte, 1995; Certificado de Presença, 1996, Castália, 1996; O Gosto de Escrever 1997; O Extenso Continente, 1998; Rosas de Pesto, 1998; A Plana Luz do Dia, 1999; Os Dias, 2000; Largas Vias, 2000; Quadras (in) populares e Sábios Epigramas, 2001; Flor Álea, 2001; A Dor 2002; Águas do Sonó, 2003; Pausas do Aedo, 2003; A Quinta Raça, 2003; Rochas, 2003; Coisas Marinhas e Terrenas, 2003; Entre Pedras o Verde, 2004; Palavras Perdudas seguidas de Oito Encómios, 2004; Se na Alma Houver 2004; Ravinas, 2004; Malva, 2004; Quase Pautas, 2005; Recapitulação, 2005; Modulações, 2005; Os Distantes Acenos, 2006, Afloramentos, 2007; No Fundo da Página, 2008, Essa Historia, 2008, Odes, 2009, Outono, 2009; O Sol de Psara, 2011; Conjunto de Sonetos seguido de Novas Odes e de Redondilhas e Heróicos Quebrados, 2011; Repor a Luz, 2011; Auras do Egeu e de Outros Mares, 2012; O Dia a Noite o Dia, 2012; Na Sua Mão Direita, 2013; Sonetos do Interregno, 2013; Ecos do trajecto seguido de Passo a Passo, 2014; Sinais do Fluir, 2014; Treze Odes Latinas, 2014; Igaedus, 2015, e No interior da Página seguido de Prosas Avulsas do Interregno, 2015.
2 Homenaje iberoamericano en 2010Homenaje iberoamericano en 2010


Conversa com António Salvado


1. António Salvado, numa idade relativamente avançada ainda escreve todos os dias? O que é para si escrever e em particular poesia?
Não direi todos os dias, pois nem sempre a necessidade ou o frémito a exigirem a escrita se perfilam com acto a ser, pertinaz e implacavelmente, concretizado através da palavra. Recordo uma passagem das “Cartas a um jovem poeta” de R. M. Rilke: nela diz o poeta alemão ao seu jovem destinatário (que lhe havia solicitado opinião crítica sobre os seus poemas) mais ou menos isto: “Alta noite interrogou-se: se eu deixasse de escrever, morreria? E aguarde a resposta.” Pois bem e indo de encontro ao teor da sua pergunta, seja-se legítimo afirmar que, para mim, escrever/poesia constitui (constituem) ‘itinerário’ assíduo aberto à minha capacidade criativa. Deste modo, o tempo (o meu tempo) será algo de muito alegórico e será nesse algo que se cruzam as virtualidades do presente e do futuro – e sem temor ou receio pela ‘passagem’ subjacente.


2. Depois de muitos anos a escrever prosa e poesia e a exercer muitas outras profissões como professor, tradutor, museólogo, entre outros, qual é o espaço reservado ao poeta e em particular ao “poeta da ibéria” como muitos, carinhosamente, o designam?


Em larga medida de consciente propósito, eu assegurei sempre à poesia, no desenrolar das actividades profissionais (estas balizadas também por um quotidiano de coerentes vivências), um lugar marcadamente relevante. Aliás, e para mim, conciliar o ensino ou museologia (dois segmentos essências no meu currículo) com uma outra realidade visceralmente tentadora fez parte, com apego, de uma atitude estratégica relativamente ao cumprimento de obrigações profissionais e à exigência da criação. Em larga medida, quantas vezes vibrou no meu íntimo mais profundo, a poesia do ensino ou a poesia da museologia. Concluindo: o ‘espaço’ exibiu-se sempre de forma idêntica; o impulso temporal que se aclarava com perfil convincente – esse diferenciava-se também sempre. Quanto ao… atributo de ‘poeta da Ibéria’ com o qual carinhosamente alguns me têm distinguido – o mesmo agrada-me sobremaneira, e isto porque na minha ‘cultura poética’ ocupa lugar luminoso o conhecimento da poesia galega, castelhana e catalã – da Idade Média até aos dias de hoje.


 3 Alfredo Pérez Alencart, António Salvado y Miguel Elías, en Partida (foto de Milola Gouveia)Alfredo Pérez Alencart, António Salvado y Miguel Elías, en Partida (foto de Milola Gouveia)
3. Os seus textos (prosa e poesia) estão traduzidos para castelhano, francês, inglês, italiano, alemão, búlgaro e japonês. Os especialistas da área consideram-no um grande embaixador da língua portuguesa. A defesa do “castelo cultural e da língua portuguesa” foi a demanda da sua vida?
Confesso-lhe que detesto o epíteto ‘grande’ como caracterizador de pessoa, de acto ou de circunstância. Julgo que o criador (poeta ou prosador) que faz da língua materna o veículo ou ‘suporte’ para a sua escrita formaliza com constância uma autenticação no que diz respeito ao conjunto das estruturas que padronizam a sua língua. Um pouco sem dar por tal realidade e na medida em que na minha bagagem intelectual viceja o ‘respeito’ pelas configurações que cimentam a língua portuguesa, nesse aspecto e naquilo que escrevo adivinhar-se-ão os sinais que revelam a eficácia daquele que é portador de mensagem (e eis o sentido da palavra ‘embaixador’).


4. António Salvado, depois da antologia que reuniu textos de 200 poetas de Portugal, Espanha, Brasil, África e de diversas geografias da América Latina, lançada no ano passado, podemos dizer que a poesia abraça “Um Extenso Continente” ou uma “Ilha” por descobrir?


Pessoalizando, sempre direi que, dada a extensão quantitativa da minha obra poética, a poesia se tem orquestrado, na sua polifónica essência, como porto de abrigo por um lado e, por outro, como um ‘extenso continente’ de contornos aliás imprecisos e algo indefiníveis – assente numa geografia sentimental cheia de amplitudes, de virtualidades, de seduções… E quantas vezes, na ininterrupta viagem sem bússola para a descoberta do ‘continente’, se torna necessário aportar primeiramente a uma ‘Ilha’, de cambiantes misteriosos para descanso e revigoramento. Mas este discurso metafórico levar-me-ia extensivamente longe, e vamos pôr-lhe um ponto final. Denotemos, e agora sim termino, ‘extenso continente e ilha’: duas espantosas antologias preenchidas por criações de poetas de várias latitudes e línguas – e nas quais sou lembrado. Que admirável surpresa!… Que enternecedora ‘convergência’ de amizades!…


4 Salvado traducido al español y japonésSalvado traducido al español y japonés

5. As suas palavras melódicas tocam temas sem fim. Alguns dos seus “arrazoados”, como costuma dizer, são também um grito de revolta em relação às questões da interioridade? Sentiu alguma limitação por escrever a partir das suas raízes, de Castelo Branco para o mundo ou, precisamente ao contrário, a Beira foi o motor que soprou as velas da sua “barca” poética?


Dos poetas que mais releio e admiro nunca descortinei um só (e quanto o ‘biografismo’ permite o estabelecimento de tal linha…) que pelas suas raízes não amplificasse um carinho e um respeito comovedores. Claro que, também e naturalmente, a… biografia existencial se ramifica com a permanência em locais diversos. Fernando Pessoa disse um dia que «a melhor maneira de viajar é sentir» … E eu julgo que, em matéria de criação poética, as raízes poderão consubstanciar (e talvez acima de quaisquer outros afloramentos) os alicerces que ajudarão à adequação de coordenadas axiais que, mais em evidência, menos visíveis, hão de transparecer no percurso criativo (de reconstrução) do poeta. Nem percebo como é que, a tal propósito, se possa falar da subjacente limitação manipuladora de vista curta… A localização geográfica da cidade onde nasci e onde actualmente vivo e existo (há diferença entre viver e existir…) cobre, em distância, a mesma até Lisboa ou até Salamanca. Falar, pois, de interioridade, porquê? Se sim, razões haverá que valorizarão propósitos de conteúdo político ou que alimentarão interesses calculados, secretos e humanamente desprezíveis. Para terminar: a Beira Baixa, província cuja capital é Castelo Branco, testemunha com propriedade, nas suas peculiaridades físicas, humanas e culturais, aquilo que o verso do genial poeta latino Virgílio (e traduzo) diz: “Perene primavera aqui floresce…”, verso que serve de epígrafe ao livro “Na Eira da Beira”, selecção dos meus poemas que permitem sejam adivinhadas as tipificações e as “atmosferas” beiroas mais envolventes, mais genuínas e mais multiformes.



6. Como nasceu esta grande paixão por Salamanca? O que o atraiu a esta magnifica cidade do outro lado da fronteira, nomeadamente num tempo em que as portas estavam semi-cerradas?

De visita ocasional à maravilhosa cidade de Tormes passei, com o trajecto do tempo, a uma relação de sensível e pautado alargamento. Realidades culturais do passado beirão apontavam-me Salamanca como referente universitário culminante pela qualidade do ensino que aí se ministrava. Na verdade, contam-se pelas muitas dezenas os estudantes albicastrenses (assim se designa os naturais de Castelo Branco) e da região que procuraram Salamanca para levarem a efeito os seus estudos, principalmente de medicina. Digamos de passagem que um importante médico cientista do Renascimento europeu, o albicastrense Amato Lusitano, realizou a sua formação superior em Salamanca. Depois, o ‘espectáculo’ dos monumentos, das ofertas culturais, a descoberta saudável de pessoas (poetas e não só), as surpresas das convivências, a ambiência generalizada de um quotidiano impregnado de originalidade – tudo enfim se associou para que a paixão pela cidade de Tormes se ampliasse em influência e em solidariedade. Depois, as relações de diferentes articulações, que passo a enunciar. Aquando da minha directoria no Museu de Castelo Branco múltiplas se desenrolaram as acções bi-laterais que a vários níveis cimentaram o amor por Castela/Salamanca. Recordo, saudoso, o contacto que tive com o jornalista Enrique Sena, o historiador José Luís Martin ou grande pré-historiador Francisco Jordá da Universidade de Salamanca. Mais tarde ainda e pela mão do professor e poeta Alfredo Pérez Alencart, e do meu grande amigo José Santolaya, a minha indicação para a Cátedra Poética “Fray Luís Léon” da Universidade Pontifícia de Salamanca, então dirigida pelo sábio e amigo Alfonso Ortega Carmona, ampliou novas vias de contacto. Com o Alfredo Pérez Alencart, laços profundos e mútuos de amizade e de admiração se foram cristalizando no decorrer dos anos – laços que, sem qualquer névoa, perduram com convicção inflexível.
Longe vai o tempo em que ir além da fronteira luso-espanhola significava tonalidade de tenebroso acentuado – a vigilância exercida pela polícia portuguesa e pela guarda civil espanhola, a ‘análise’ de tudo o que se levava e de tudo o que se trazia (de livros, principalmente), o estremecimento, passageiro embora, perante rostos que pouco ou nada ofereciam de amigável – tudo confluindo enfim para tornar a ida ao lado de lá numa espécie de inesquecível aventura. A coragem dos dois povos peninsulares riscou, e para sempre, essa situação fervente e amordaçante que nos obrigava a esconder o abraço e a alegria.

5 Los poetas Alencart, Amat, Sánchez, Luís Correia (alcalde de la ciudad), Quirós, Salvado, Frayle y Amador en Castelo Branco (foto de Jacqueline Alencar)) Los poetas Alencart, Amat, Sánchez, Luís Correia (alcalde de la ciudad), Quirós, Salvado, Frayle y Amador en Castelo Branco (foto de Jacqueline Alencar))


7. Há uns tempos disse, a propósito de uma reportagem de um jornal de Castilla y León, que sempre que ia a Salamanca se sentia em casa e bebia do seu espírito regenerador. Como é que isso acontece e porquê? São as pedras da cidade ou as pessoas que lhe dão este aconchego?

A resposta à sua pergunta plasma-se, em larga medida, nas linhas anteriores. É verdade: habituei-me a sentir Salamanca como uma mátria carinhosa na qual “pedras e pessoas” embelezam concludentemente o meu aperto de mão com Salamanca. Encontrar um amigo (poeta ou não), tomar um café em esplanada ou no interior da pastelaria, entrar numa livraria, assistir a uma sessão cultural – todos estes acontecimentos assumem o encantamento de um peculiar “aconchego”.


8. António Salvado é hoje um nome consagrado e com uma presença muito forte no espaço cultural espanhol onde, entre muitas outras coisas para além da poesia, se tem destacado como tradutor. Como foi este percurso? Há alguma obra ou algum criador cultural que tenha gostado mais de traduzir?

“Nome consagrado” – tanto não direi; “presença não muito forte mas persistente” – estarei de acordo. São inúmeros os poetas de expressão castelhana ibéricos e sul-americanos que tenho traduzido e que continuo a traduzir – ‘atitude’ que desenvolvo com particular interesse e que me tem proporcionado momentos de verdadeiro prazer. Por vezes, estas ‘transfusões de sangue’ revestem-se de algumas dificuldades, que (dizem os entendidos) eu consigo ultrapassar. Grato me foi reunir num pequeno livro alguns poemas de Claudio Rodríguez, poeta fascinante que tanto admiro. Outros houve e há como o grande Aníbal Nuñez, o afectuoso Pepe Ledesma Criado, o luminoso Antonio Colinas ou o original jovem Raúl Vacas que li, continua a ler e a… traduzir. E é natural que eu releve as traduções que a obra de Alfredo Pérez Alencart me tem proporcionado, e (também) por pertinências já atrás apontadas.


6 Antología y homenaje  salmantino del año 2000Antología y homenaje salmantino del año 2000

9. O poeta Alfredo Pérez Alencart tem sido um grande promotor da obra de António Salvado, numa relação que parte da amizade, alimentada ao longo de muitos anos de cumplicidade, para um trabalho persistente de divulgação dos seus poemas e da sua obra no espaço lusófono e ibero-americano. Ou seja, esta vossa relação vai muito para além da amizade…. Tem dado os seus frutos no palco da cultura. Como se construiu esta verdadeira união entre dois bons amigos que gostam de poesia e percorrem muitos caminhos por ela?

Sem dúvida que sim. Embora com outro cariz, a resposta está dada anteriormente. Tem, ao longo dos anos, acontecido uma cumplicidade interpelante, sem atropelos ou meandros menos correctos, que o gosto pela poesia sintonizou em harmoniosa relação: a tradução de este ou de aquele livro à ‘tradução pontual’ de poemas (para revistas, antologias, etc), às sessões públicas em Portugal e em Espanha com a intervenção de ambos, ou, ainda e relevantemente, à persistente e consistente ‘convivência’ pela presença pública, pela carta, pelo telefone. Inolvidável também o relevo muito precisado com que Alfredo Pérez Alencart me tem envolvido nos “Encuentros de poesia iberoamericanos”, realizados em Salamanca desde há alguns anos… Um desses “Encuentros” foi inteiramente consagrado à minha poesia, facto esse que se concretizou numa edição na qual os meus poemas ocupam dimensão notável, acompanhados por poemas a mim dedicados e da autoria de dezenas de poetas de língua castelhana!…


10. Os dois poetas e amigos, Alfredo Pérez Alencart e António Salvado, evidenciam uma espécie de “híper-actividade” de grande excelência ao nível da criatividade cultural. Um grande exemplo tem sido a realização dos encontros “poetas e Deus”. As palavras do poeta António Salvado, digo eu, vão muitas vezes ao encontro de Deus. Qual a importância que Deus tem na sua obra e porque sentiu a necessidade de organizar um encontro de poetas com Deus? Para os aproximar? Foi para condensar a espiritualidade na palavra? Ou foi outra coisa?

Vai para dez anos que, e sempre no mês de Novembro e em Toral de Los Guzmanes (Léon), o Alfredo realiza (ao poeta se deve a sua consecução) um “Encuentro” (o único de características semelhantes tão próprias e em toda a Península Ibérica) durante o qual é dada a palavra aos poetas que às sessões assistem (católicos, evangélicos, etc.) para, através dos seus versos, ‘emitirem’ uma ‘aproximação’ a Deus. Sucesso enorme tem singularizado este “Encuentro” que eu, com a minha presença, tenho também ajudado a corporificar-se – presença que, com ternura o afirmo, em cada ano me é ‘agradecida’ com inexcedível simpatia.
Tornou-se asserção generalizada, essa que me faz ser considerado (tendo-se em mente alguma parte da minha obra) um… trovador de Deus. E já o afirmei mais que uma vez (em entrevista de periódicos): “Se o poeta não encontra Deus, será Deus quem encontra o poeta”. Nesta recôndita e impalpável ‘certeza’ reside a força que leva alguns poetas a reunirem-se em Toral de Los Guzmanes: o terem escolhido correspondeu a um apelo espiritualizado difícil de definir. E a grande ‘aproximação’ é de tal grandeza que cada “Encuentro” fica (e para sempre) gravado no corpo saudoso do coração dos poetas participantes; que cada “Encuentro”, e pela voz dos poetas, saberá condensar a espiritualidade que transborda dos poemas que se lêem durante as sessões; que cada “Encuentro” perfilará, no íntimo de cada poeta, a centelha de uma sempre desejada e futura serenidade.


7 Antología de Toral de los GuzmanesAntología de Toral de los Guzmanes


11. António Salvado, depois de um percurso tão longo de uma escrita límpida, fina, densa e inquietante, ….podemos esperar o surgimento de mais projectos e da continuidade da demanda cultural?
Refere-se ao longo percurso da minha escrita… Mas parece-me que a medição que implica tal afirmação não responderá precisamente a um horizonte ‘geométrico’ alumiado por exactidão… Sabe? É que a longevidade patenteada no B. I. talvez não concorde com a longevidade traçada pela escrita. E, porque não confessá-lo? Conservo ali meia-dúzia de livros inéditos que aguarda oportunidade editorial. Por outro lado, não me fatigo em considerar solicitações que, concretizadas, me levarão ao contacto público com os outros.

8 Salvado y Alencart en Salamanca (foto de José Amador Martín)Salvado y Alencart en Salamanca (foto de José Amador Martín)

9 Retrato de Miguel Elías Retrato de Miguel Elías

10 Malva, traducido por A. P. AlencartMalva, traducido por A. P. Alencart
3 Noticias de Salvado en los periódicos de la Beira Interior
Noticias de Salvado en los periódicos de la Beira Interior

________________________________
COLABORAÇÃO DE DAVID LEITE

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Os Morenos do Rio Grande do Norte




João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Matemático, sócio do IHGRN e do INRG.
O mais famoso Moreno, que passou aqui pelo Rio Grande do Norte, foi Martim Soares Moreno, que em 1609 era tenente desta Capitania, servindo na Fortaleza dos Reis Magos ao capitão-mor Lourenço Peixoto. Foi um grande guerreiro na conquista do Ceará e Maranhão, bem como na luta contra os holandeses.

Mas é nos registros paroquiais da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação que vamos encontrar membros da família Moreno. Nos velhos registros, que hoje estão no Instituto Histórico de Pernambuco, encontramos dois membros dessa família batizando filhos no final do século XVII.

 Aos 25 de setembro de 1693, batizou o Padre Manoel Dias Santiago, de licença minha, a Eugênia, filha de Mathias Moreno e de sua mulher Maria da Assunção. Foram padrinhos João da Costa Marinho, e Izabel de Andrade. Do que fiz este assento, em que me assinei, Basílio de Abreu e Andrada.

Aos 8 de dezembro de 1694, batizou o padre Jerônimo de Albuquerque, da Companhia de Jesus, a Izabel, filha de João Moreno e de sua mulher Joanna da Costa. Foram padrinhos o capitão Afonso de Albuquerque Maranhão e D. Izabel de Barros.

De um registro confuso e de difícil leitura extraímos, resumidamente, o casamento de mais um Moreno que segue: Aos 21 de junho de 1747 anos, na Capela de Nossa Senhora do O’ de Mipibu, desta Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação do Rio Grande do Norte, feitas as denunciações, na forma do Sagrado Concílio Tridentino, nesta Matriz, e nas partes necessárias desta Freguesia e na Freguesia do Assú, onde assistiu o contraente, em presença do Reverendo Padre Antonio Araújo e Souza, de licença minha, e dos presentes por testemunhas, o capitão Francisco de Souza Gusmão, e Felis de Souza, pessoas conhecidas, os quais vinham assinados junto com o Reverendo assistente no assento, se casaram em face da Igreja solenemente, por palavras Matheus Moreno, filho legítimo de José Raposo, já defunto, e  de sua mulher Eugenia de Andrade, com Antonia Dias de Barros, filha de Ana de Barros, já defunta, ambos naturais e moradores da Ribeira de Mipibu, desta Freguesia e lhes deu as bênçãos conforme os ritos e cerimônias da Santa Madre Igreja, e pelo assento que veio do dito Reverendo mandei faze este que por verdade me assino, Manoel Corria Gomes. 

Não deu para descobrir, mas essa Eugenia, mãe desse Matheus, pode ser aquela batizada em 1693.
Vejamos, agora, o casamento de Estevam Moreno, que no registro tem acrescentado o sobrenome Assunção, que deve ter vindo da esposa de Mathias Moreno.

Aos 17 de julho de 1748 anos, na Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, da Aldeia de Guajiru, desta Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação do Rio Grande do Norte, feitas as denunciações na forma do Sagrado Concílio Tridentino, nesta Matriz e nas mais partes necessárias desta Freguesia, sem se descobrir impedimento algum, como consta dos banhos, que ficam em meu poder, em presença do Reverendo Padre Mestre José de Amorim, da Companhia de Jesus, superior da dita Aldeia, de licença do Reverendo Coadjutor que fazia vezes de Pároco, em minha ausência, e sendo presentes por testemunhas o sargento-mor Manoel de Souza Jardim, e João da Silva, pessoas conhecidas, se casaram em face da Igreja, solenemente, por palavras Estevão Moreno da Assunção, filho legítimo do Alferes João Moreno, e sua mulher Antonia Machado de Miranda, natural desta  dita Freguesia, com Adriana Freire, filha legítima de Feliciano Carneiro, e de sua mulher Leandra da Sylva, natural da Freguesia de São Lourenço da Mata de Capibaribe, que veio de menor idade para esta dita Freguesia do Rio Grande, e logo lhes deu as bênçãos conforme os Ritos e Cerimônias da Santa Madre Igreja, e pelo assento que veio do dito Reverendo mandei fazer este, em que assino. Manoel Correia Gomes, Vigário.

A testemunha Manoel de Souza Jardim foi casado com minha tia-pentavó, Felizarda Coelho Marinho, filha de João Machado de Miranda e Leonor Duarte de Azevedo. Talvez essa  mãe de Estevão fosse, também, filha desse meus hexavós.

Nos assentamentos de praça encontramos  Estevão Moreno, que neste trabalho é o eixo de uma genealogia dessa família.

Estevão Moreno, homem pardo, casado, natural da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação e morador na mesma, filho legítimo de João Moreno, da Assunção, de idade de que representa ter de cinquenta anos, pouco mais ou menos, de estatura ordinária, grosso de corpo, cor trigueira, nariz grande, de ventas abertas, cara comprida, olhos pequenos, e as sobrancelhas grossas, com todos os dentes, assenta praça por portaria dos sucessores do governo desta capitania, o tenente José Baptista Freire e Antonio da Câmera Silva, e intervenção do Vedor Geral o Doutor Antonio Carneiro de Albuquerque Gondim, em 8 de fevereiro de 1777 anos.

Pelo documento acima, Estevão deve ter nascido por volta de 1727, pouco mais ou menos. Naquele tempo as pessoas pareciam não saber da própria idade. Vejamos alguns filhos de Estevão e de Adriana, que foi possível encontrar. Em alguns registros o nome dele é escrito Estevam, e o nome a esposa é escrito Anna, no lugar de Adrianna. Outro detalhe é que os lugares de nascimento, para uma mesma pessoa, variam de registro para registro.

Leandra, filha legítima de Estevão Moreno, natural desta Freguesia, e de Adriana Freire, natural de Goianinha (?), neta por parte paterna de João Moreno da Assunção e de sua mulher Antonia Machado naturais desta Freguesia, e pela parte materna de Faustino Freire (Feliciano Carneiro) e de sua mulher Leandra da Silva, naturais da Freguesia de Santo Tracunhaém, nasceu aos 25 de julho e foi batizada com os santos óleos, de licença minha, na Capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, pelo padre Lourenço Gracy de Mello, aos 10 de agosto do 1766. Foram seus padrinhos José da Costa Valerino, casado, e Eleutéria Freire, mulher de João da Silva, moradores nesta Freguesia, Pantaleão da Costa de Araújo, Vigário do Rio Grande.

Bernarda, filha legítima de Estevão Moreno, natural desta Freguesia e de Anna Fernandes (Adriana Freire), natural de Santo Antão da Mata, neta por parte paterna de João Moreno e de Antonia Machado, naturais desta Freguesia, e pela materna de Feliciano Carneiro e Leandra da Silva, de Santo Antonio da Mata, nasceu aos 8 de julho de 1773, e foi batizada com os santos óleos, de licença minha na Capela de Santo Antonio desta Freguesia pelo padre Manoel Antonio de Oliveira, aos 29 de agosto do dito ano; foram padrinhos Manoel de Melo Andrade, solteiro, e dona Rosa Maria, filha do capitão Jerônimo Teixeira da Costa, moradores nesta Freguesia.Pantaleão da Costa de Araújo, Vigário do Rio Grande.

Nos dois registros de batismo a seguir, encontramos dois filhos de Estevão e Adrianna, com o mesmo nome.

Francisco, filho legítimo de Estevão Moreno, e de Anna (Adrianna) Freire, neto por parte paterna de João Moreno e de Antonia Machado, naturais desta Freguesia e pela parte materna de Feliciano Carneiro e Leandra da Silva, ambos naturais de Santo Antão da Mata, nasceu aos 9 de maio de 1771, e foi batizado sem os santos óleos, na Capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, de licença minha, pelo padre João Tavares da Fonseca aos 20 do dito mês e ano; foram padrinhos  o capitão Francisco Delgado Barbosa e Anna Maria Soares, mulher do dito, Pantaleão da Costa de Araújo, Vigário do Rio Grande.

Francisco, filho legítimo de Estevão Moreno, natural desta Freguesia e Anna (Adrianna) Freire da Freguesia de São Lourenço, neto por parte paterna de João Moreno e Antonia Machado, naturais desta Freguesia, e materno de Feliciano Carneiro, natural da Bahia, e Leandra da Silva, natural de São Lourenço, nasceu aos 13 de junho e foi batizado com os santos óleos na capela de Jundiaí, de licença minha, pelo padre Manoel de Aragão Cabral, aos 19 de agosto, foram padrinhos José Bezerra de Lira e sua mulher Jenoveva Bezerra. Pantaleão da Costa de Araújo. Embora não tivesse ano, mas pelos batismos próximos, era 1775.

Francisco Freire, que aparece a seguir, dever ser o segundo, nascido em 1775.

Antonio, filho legítimo de Francisco Freire e de Maria do Nascimento, naturais e moradores desta Freguesia, neto paterno de Estevão Moreno e de sua mulher Adriana Freire, naturais desta Freguesia, e pela materna de João Rodrigues da Costa, natural da Paraíba, e de Anna Maria dos Prazeres, naturais desta Freguesia, nasceu aos oito de setembro de 1796, e foi batizado com os santos óleos, por mim na capela de São Gonçalo do Potigi, aos 28 de outubro do dito ano, foram padrinhos Manoel Rodrigues Machado e sua mulher Maria Pereira, moradores desta freguesia, do que para constar fiz este assento em que me assino. Ignácio Pinto de Almeida Castro. Vigário Encomendado do Rio Grande.

Aos 4 de junho de 1798, o padre José Gonçalves de Medeiros, de minha licença, batizou e pôs os santos óleos a inocente Joanna, filha legítima de Francisco Freire e Maria do Nascimento, neto por parte paterno de Estevão Moreno e de Adrianna Freire, e pela materna de João Rodrigues da Costa e Anna Maria dos Prazeres, todos desta Freguesia, foram padrinhos Domingos Fernandes Veras e Bernarda Maria. Felicano José Dornelles. Na lateral do registro o nome é Anna em vez de Joseph

Feliciano, filho legítimo de Estevão Moreno, natural desta Freguesia e de Anna (Adrianna) Freire, natural desta Freguesia de Santo Antão, neto por parte paterna de João Moreno e de Antonia Machado, naturais desta Freguesia, e pela materna de Feliciano Carneiro e de Leandra da Silva, naturais da Freguesia de Santo Antonio, nasceu aos 27 de fevereiro de 1770 e foi batizado com os santos óleos, de licença minha, na Capela de Nossa Senhora da Conceição  desta Freguesia pelo Padre João Tavares  da Fonseca, aos 21 de março do dito ano; foram padrinhos o capitão Jerônimo Teixeira casado e D. Luzia de Mello de Andrade, sua mulher. Pantaleão da Costa de Araújo, Vigário do Rio Grande.

Feliciano Carneiro Cabral, solteiro, e morador na Serrinha, filho de Estevão Moreno, de idade de dezoito anos, senta praça por ordem dos Presidentes interinos desta Capitania e intervenção do Doutor Vedor Geral em 7 de dezembro de 1788.

Aos 22 de dezembro de 1754, de licença do Reverendo Vigário Doutor Manoel Correa Gomes, na Capela de Santo Antonio, batizou e pôs os santos óleos, o Reverendo padre Theodosio da Rocha Vieira, a Joseph, filho legítimo de Estevam Moreno e de sua mulher Anna (Adrianna) Freire. Foram padrinhos Joseph Mendes, solteiro, e Leandra da Silva, viúva. Marcos Soares de Oliveira. Visitador.

José Mendes, homem pardo, solteiro, natural e morador desta Freguesia, filho legítimo de Estevão Moreno, de estatura ordinária, cara redonda, cor alva, olhos pequenos, sobrancelhas delgadas, sem falta de dentes, assenta praça por portaria dos sucessores do governo desta capitania, o tenente José Baptista Freire e o alferes Antonio da Câmera Silva e intervenção do Vedor Geral, o Doutor Antonio Carneiro de Albuquerque Gondim, em 8 de fevereiro de 1777 anos. (consta como falecido, abaixo do registro, sem especificar a data). 

Vejamos, agora, o casamento de José Mendes: Aos 4 dias do mês de maio de 1781 anos, pelas quatro horas da tarde, corridos os banhos de suas naturalidades, nesta Matriz, e na capela do Senhor São Gonçalo filial da mesma, onde os contraentes são naturais e moradores sem se descobrir impedimento algum até a hora de seu recebimento, examinados em doutrina cristã, e confessados, se casaram por palavras de presente José Mendes, filho legítimo de Estevão Moreno e de Adrianna Freire da Conceição, com Anna Bezerra de Mello, filha natural de José de Mello da Cruz, todos naturais e moradores nesta Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação do Rio Grande; e cujo sacramento assistiu, de licença minha, o Reverendo Padre Luiz Felis de Vasconcellos, Administrador em São Gonçalo, e logo lhes deu as bênçãos na forma dos Sagrados Ritos da Santa Madre Igreja, sendo presentes por testemunhas Domingos Rodrigues da Silveira, e João Gomes da Silveira, casados, moradores no mesmo lugar de São Gonçalo, e pessoas conhecidas de mim. Francisco de Souza Nunes, vice-vigário do Rio Grande.

Outra filha de Estevão e Adrianna, que não encontramos o batismo, foi Eleutéria, cujo casamento segue: Ao primeiro de agosto de 1764, na Capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, dispensados no terceiro grau de consanguinidade com que se achavam ligados, satisfeito tudo, o que estava disposto na sua sentença de dispensa, e corridos dos banhos dos seus domicílios, juxta tridentinum, sem se descobrir impedimento algum, fora do que já estava dispensado, na presença do Padre Lourenço Gracy de Mello, de licença minha, se casaram com palavras de presente João da Sylva Gomes, filho legítimo de Manoel dos Santos, e de Marcelina Gomes, naturais da Freguesia de Santo Antão da Mata, com Eleutéria Freire, filha legítima de Estevão Moreno da Assunção, e de Anna (Adrianna) Freire, naturais e moradores desta Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação e, logo lhes deu as bênçãos nupciais, conforme os ritos da Santa Madre Igreja, presentes por testemunhas Francisco de Araújo Correia e Manoel Álvares Correia, que vinham assinados na certidão que fica em meu poder. Pantaleão da Costa de Araújo.

Segue alguns registros de netos de Estevão e Adrianna, filhos de João da Silva e Eleutéria.

Florência, filha legítima de João da Silva, natural de São Lourenço da Mata, e de Eleutéria Freire, natural desta Freguesia, neta por parte paterna de Manoel dos Santos, e de Marcelina da Costa, naturais de São Lourenço da Mata e pela materna de Estevam Moreno, natural desta Freguesia e de Anna (Adrianna) Freire, natural de Santo Antão da Mata, nasceu aos 13 de agosto de 1769, e foi batizada com os santos óleos, de licença minha, na Capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, pelo Padre Miguel Pinheiro Teixeira, aos 3 de setembro do dito ano, foram padrinhos Estevam Moreno e sua mulher Anna (Adriana) Freire. Pantaleão d Costa de Araújo.

João, filho legítimo de João da Silva, natural de Engenho Novo de Capibaribe e de Eleutéria Freire, natural desta Freguesia, neto por parte paterna de Manoel dos Santos e de Marcelina da Costa, natural da Freguesia de Santo Antão, e pela materna de Estevam Moreno e Anna (Adrianna) Freire, naturais desta Freguesia, nasceu aos 13 de maio de 1771, e foi batizado com os santos óleos, na Capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, de licença minha, pelo Padre João Tavares da Fonseca, que no assento que mandou lançar declarou a quantos foram padrinhos o capitão Francisco Xavier de Souza e sua mulher Bernarda Dantas da Silveira. Pantaleão da Costa de Araújo

Manoel, filho legítimo de João da Silva Gomes e de Eleutéria Freire da Conceição, naturais desta Freguesia, neto por parte paterna de Manoel dos Santos, natural da Freguesia de São Lourenço da Mata, e de Anna Ferreira (Marcelina da Costa), desta Freguesia, e pela materna de Estevam Moreno e Marcelina da Costa (Adrianna Freire), naturais desta Freguesia, nasceu ao primeiro de maio do ano de 1773 e foi batizado com os santos óleos de licença minha, na Capela de Santo Antonio desta Freguesia, pelo Padre Bonifácio da Rocha Vieira, Coadjutor, aos 18 do dito mês e ano, foram padrinhos o capitão João de Moura com procuração do capitão Jerônimo Teixeira da Costa e Dona Rosa Maria, filha deste, moradores nesta Freguesia. Pantaleão da Costa de Araújo.

Alexandre, filho de João da Silva e de sua mulher Eleutéria Freire, natural desta Freguesia e, ele de Pernambuco, neto paterno de Manoel dos Santos e Marcelina da Costa, e materna de Estevão Moreno, natural desta Freguesia e de Anna (Adrianna) Freire, de Pernambuco, nasceu aos 10 de dezembro de 1774, e foi batizado com os santos óleos de licença minha, na Capela de Jundiaí, pelo padre Manoel de Aragão Cabral aos 11 de janeiro de 1775, foram padrinhos Manoel Carneiro, solteiro e Thereza, filha de Estevão Moreno. Pantaleão da Costa de Araújo.

Aos 25 de dezembro de 1788, faleceu da vida presente João da Silva, casado com Eleutéria Freire, tão somente confessado, de idade que representava de quarenta e oito anos, pouco mais ou menos, e foi envolto em mortalha branca, encomendado pelo padre José Gonçalves Bezerra, foi sepultado na Capela de São Gonçalo aos 26 do dito mês e ano, e não se continha mais no dito assento. Pantaleão da Costa de Araújo.

Vejamos mais um filho de Estevão, de nome Manoel Cabral: Aos 23 dias do mês de agosto de 1784 anos, sendo às três horas da tarde, do dito dia, na capela de Nossa Senhora da Conceição de Jundiaí, filial desta Matriz, de Nossa Senhora da Apresentação do Rio Grande do Norte, corridos os banhos de suas naturalidades, os do nubente na Freguesia de Extremoz, e os da nubente nesta Freguesia, onde é moradora, sem se descobrir impedimento algum, até a hora de seu recebimento, de licença minha, em presença do Reverendo Administrador Manoel Antonio de Oliveira, se casaram por palavras de presente, na forma do Sagrado Concílio Tridentino, Manoel Cabral, filho legítimo de Estevão Moreno, e de Adrianna Freire, naturais e moradores nesta Freguesia de Extremoz, com Constantina de Freitas Amorim, filha legítima de João da Silva Gonçalves, e de Maria José da Rocha, naturais e moradores nesta Freguesia, e logo lhes deu as bênçãos, na forma dos Sagrados Ritos e Cerimônias, da Santa Madre Igreja, confessados e examinados na doutrina cristã, sendo presentes por testemunhas Francisco Anselmo José de Faria, e Gonçalo Barbosa de Moura, solteiros, moradores nesta Freguesia, pessoas conhecidas de mim, do que fiz este assento pelo próprio que veio do Reverendo Administrador sobredito, e fica em meu poder. Francisco de Souza Nunes, vice-vigário do Rio Grande.

Essa nubente teve seu batismo como segue: Constantina, filha legítima de João da Silva Gonçalves, natural da Freguesia de Santo Antonio de Tracunhaem, e de Maria José, natural da Freguesia, neta por parte paterna de Antonio Gonçalves de Atalaia, e de Joanna Mendes da Silva, natural da Freguesia de Santo Antonio de Tracunhaém, e pela materna de Antonio Gomes Monteiro, natural do Rio São Francisco, e de Constantina de Freitas, natural desta Freguesia, nasceu a 27 de dezembro de 1765, e foi batizada, com os santos óleos, de licença minha, pelo Reverendo Padre Miguel Pinheiro Teixeira, na Capela de São Gonçalo do Potigi, aos 19 de janeiro de 1766, foram padrinhos João Pedro de Sá Bezerra e Manoella Freire de Amorim, sua mulher. Pantaleão da Costa de Araújo.

Uma irmã de Constantina era: Anna, filha legítima de João da Silva Gonçalves, natural da Freguesia de Tracunhaém, e de Maria José da Rocha, desta Freguesia, neta por parte paterna de Antonio Gonçalves Atalaia e Joanna Mendes da Silva, naturais da Freguesia de Tracunhaém, e pela materna de Antonio Gomes Monteiro, natural do Rio São Francisco, e de Constantina de Freitas desta Freguesia, nasceu aos 19 de dezembro de 1773, e foi batizada com os santos óleos, de licença minha, na Capela de Santo Antonio do Potigi, pelo Padre Manoel Antonio de Oliveira, aos 6 de janeiro de 1774, foram padrinhos Prudente de Sá Bezerra Junior, casado e Anna Maria, filha de Manoel Cruz, moradores desta Freguesia. Pantaleão da Costa de Araújo.

Vejamos, também, o batismo de outro irmão de Constantina: Bonifácio, filho de João da Sylva Gonçalves, natural da Freguesia de Santo Antonio de Tracunhaém, e de Maria José da Rocha, neto por parte paterna de Antonio Gonçalves de Atalaia, e de Joanna Mendes da Silva, naturais da Freguesia de Santo Antonio de Tracunhaém, e pela materna de Antonio Gomes Monteiro, natural do Rio São Francisco, e de Constantina de Freitas, natural desta Freguesia, nasceu aos 10 de abril de 1768, e foi batizado com os santos óleos, na Capela de Santo Antonio do Potegi, de licença minha, pelo Padre Manoel Antonio de Oliveira, aos vinte e oito do dito mês e ano, foram padrinhos José de Araújo (Pereira) e sua mulher Elena Bezerra. Pantaleão da Costa de Araújo.

Antonio José Moreno era outro filho de Estevão e Adrianna. Não encontramos seu batismo, mas a prova documental vem do registro dos seus filhos, como podemos ver a seguir.

Eleutéria, filha de legítima de Antonio José Moreno e Antonia de Freitas, neta por parte paterna de Estevão Moreno e Adriana de Freitas(Freire), e pela materna de Maria José e João da Silva Gonçalves, moradores no Guajiru foi batizado aos 5 de julho de 1788 com os santos óleos, pelo padre José Gonçalves de Medeiros, foram padrinhos João Gonçalves, solteiro, filho do sargento-mor Prudente de Sá Bezerra e Anna Maria filha do dito. E não continha mais no dito assento. Pantaleão da Costa de Araújo.

Nosso personagem principal, faleceu no começo do século XIX: Aos seis do mês de agosto do ano de 1807, faleceu sem sacramentos Estevam Moreno, viúvo, morador no Tabuleiro Cramisso, de idade de 76 anos, pouco mais ou menos, foi sepultado na capela de São Gonçalo em hábito branco, encomendado de minha licença pelo Padre Antonio Pedro de Alcântara, e para constar mandei fazer este assento em que me assinei. Feliciano José Dornelles. Vigário Colado.

Encontro um Gervásio Moreno, filho de João Moreno, e de Antonia Machado, padrinho no ano de 1754. Não encontro outros registros para ele.

Pelo interior do Rio Grande do Norte, há vários membros da família Moreno, que não foi possível incluir aqui.

Eugenia de Matheus Moreno