quarta-feira, 7 de junho de 2017

Homenagem de Carlos de Miranda Gomes ao irmão MOACYR



Era uma vez, num tempo de pardais no verde dos quintas, quando aqueles dois jovens se conheceram – José e Maria[1].
Ela, recém saída da adolescência no esplendor dos seus 14 anos e ele, um jovem bacharel em Direito de 23 anos, formado na Universidade do Rio de Janeiro em 1925, que retornava ao solo potiguar em busca do seu primeiro amor, pois se conheceram ainda muito novos.
No cenário bucólico do Seridó, o novo bacharel assume o cargo de Adjunto de Promotor de Justiça, em Caicó e, de pronto, reinicia um namoro interrompido e contrai núpcias com sua amada em 04 de setembro de 1926, quando esta tinha apenas 15 anos, com a presença do Patriarca da família “Gomes”, o Coronel João Gomes da Costa, proprietário da Fazenda Pitombeira (Taipu-RN) e líder político na região[2].
Dessa união, que assistiu íntegro o passar de meio século, nasceram nove filhos – o primogênito foi Moacyr[3], parido de uma gravidez de alto risco, agravada pela pouca idade da mãe – apenas 15 anos, o que levou “Mãe Quininha”[4] a comentar com o amigo comum Dinarte Mariz [5], sobre o perigo que corria Lígia de Zé Gomes, cujo nascitura estava em posição inverna à natural e que não teria habilidade para resolver o problema. O amigo, político influente na região, mandou motorista em seu automóvel até Currais Novos para trazer o renomado médico Mariano Coelho [6].
Pelos dotes competentes do médico e pelas mãos santas da parteira Mãe Quininha, nasce de parto laborioso Moacyr Gomes da Costa.
O menino Moacyr teve uma infância normal, mas sem fartura, cercado do carinho e do desvelo dos muitos familiares do lado dos Miranda e dos Gomes da Costa.
Por circunstâncias profissionais, seus pais vieram para Natal e aqui se desenhou a sua mocidade, entre as dunas das cercanias de Natal e o rio Potengi, enriquecida pelos amigos e pelos devaneios e sonhos bem sonhados, de criar asas e buscar o seu lugar ao sol.
No ano de 1934, com sete anos de idade, morou na Avenida Deodoro, em uma das casas de propriedade dos “Palatinic”, no quarteirão entre a Ulisses Caldas e a João Pessoa. A avenida tinha apenas pequeno trecho calçado e no centro passavam os trilhos do bonde elétrico que chegava até o alto da ladeira do sol. Natal deveria ter em torno de 30 mil habitantes. Em 1935 foi para a Av. Duque de Caxias, bairro da Ribeira e centro comercial da cidade.
Já datava desse tempo o pendor pelo esporte, pois papai o levava aos jogos no “Stadium” Juvenal Lamartine inaugurado em 1928, a maior novidade em matéria de lazer da cidade. Esse proceder ele repetiu com todos os filhos homens, sempre incentivando a torcer pelo América Futebol Clube, o que somente não logrou êxito com o caçula, José Gomes Filho, que se tornou inexplicavelmente “abecedista”. Mas a democracia sempre prevaleceu em nossa família, onde já residira o nosso avô Xavier Miranda (em frente à atual Associação Comercial, vizinha ao Grande Hotel), que se tornou tempo depois comerciante naquele bairro, com a sorveteria Eldorado, em parceria com Jessé Pinto Freire, seu genro, compadre do Interventor Rafael Fernandes, era o Chefe da Mesa de Rendas do Estado, sendo protagonista de um gesto histórico: abrigou o Interventor em sua casa, quando eclodiu a “insurreição comunista” de novembro de 1935. Moacyr presenciou o episódio, pois estava na casa de “Paié”, quando começou um tiroteio. 
No dia seguinte, pela manhã, veio um grupo de insurretos em nossa casa, levando papai para abrir as portas da firma em que trabalhava, de lá retirando pertences. Soubemos que papai não foi sacrificado pela interferência de João Galvão[7], que era primo do nosso avô Xavier Miranda.
    Da Ribeira a família foi residir em uma casinha acanhada no baldo, última casa da 13 de Maio, nº 890 (hoje Princesa Izabel), por curto período, pois a casa não cabia todos os seus integrantes.
De lá houve a mudança para a Av. Rio Branco, 710, onde nasceu o autor destas memórias, quase vizinho ao prédio onde hoje funciona o Banco Santander, pertinho do Cinema Rex.
Nessa época havia como hábito de lazer alugar bicicletas conhecidas como contrapedal, importadas da Europa, última novidade tecnológica no assunto, causando a admiração das prendadas senhorinhas que se postavam ao longo dos muros altos em relação ao calçadão da Av. Rio Branco, desde a esquina em frente à Escola de Artífices, até o fim da ladeira do baldo, passando pela casa de seu Jorge Câmara, dos Motas até Abel Viana, formando uma seleta platéia para ver a moçada pegar morcego na traseira do bonde na porta do Cinema Rex, e quando o bonde chegava a 9 pontos, soltavam-se dos estribos e faziam o acrobático “cavalo-de-pau” para receber os aplausos da plateia feminina e carão dos mais velhos.
Flertes na “sessão das moças” nas tardes das quartas-feiras no cinema Rex. Por isso ainda há casais daquele tempo que já comemoram bodas de diamante. Os heróis residiam na cidade alta, como seu irmão Fernando, Edgard Mãozinha e a rapaziada da Rua Santo Antonio e Santa Cruz da Bica e até alguns primos que moravam no bairro aristocrático do Tirol. 
Peladas no meio da rua em frente ao Seminário de São Pedro, na Av. Campos Sales e ali nas proximidades da Igreja de Santa Terezinha também sem calçamento, e vários outros terrenos baldios do Tirol e Petrópolis eram os pontos principais dos vários “craques”, que posteriormente cresceram na vida, tanto no futebol, como em outras atividades, por exemplo, no futebol profissional, Renato Magalhães, Antonio Viana, que foi dentista na Bahia e consagrado profissional de futebol, Demóstenes, (Botafogo do Rio, Seleção Carioca e Milionários de Bogotá, onde jogou com Heleno de Freitas, tendo como rival o consagrado Di Stefano), Natanael, e, Ivanildo “Deus”,[8] Armando e Aníbal Cavalcanti (filhos do Tem. Júlio Gomes), Aldo Viana e o próprio Moacyr que não foram além daquele time de amadores que chamavam de “Aspirantes”, que enchiam o tempo para segurar a paciência dos torcedores enquanto aguardavam o jogo principal do velho Juvenal Lamartine. Aqueles meninos eram de modo geral dirigidos por “técnicos amadores” como Euclides Lira, Djalma Maranhão e outros apaixonados pelos esportes, ao que dedicavam o maior esforço possível, fora suas atividades de sobrevivência. Cabe lembrar os saudosos Santa Cruz de Euclides Lira e Evaldo Reis e do Atlético de João Machado.
Assim, aquela geração produziu muitos valores diferentes em várias atividades, desde profissionais liberais, até comerciantes, funcionários públicos, enfim, todos que deram sua participação importante na vida da sociedade, chegando a registrar-se com especial destaque, para nosso orgulho, a ascensão de um dos nossos mais assíduos “peladeiros”do Tirol,  à Academia Brasileira de Letras, Murilo Melo Filho, “Murilinho” entre tantos valores que dignificam nosso pequeno Estado. No futebol profissional, tivemos um Dequinha, um Jorginho, Alberi e Marinho Chagas, como expoentes máximos.
Tudo isso representou o paraíso daquela belle époque de Natal, aliando-se a prática dos banhos e travessias em pequenos botes de aluguel do Rio Potengi, os pegas dos botes da Redinha com nome dos poetas Segundo Wanderley e Palmira Wanderley, com o campeoníssimo Ferrinho, o mesmo condutor dos veranistas da Redinha e paralelamente da elegância dos remadores Alvamar Furtado, Humberto Nesi, Marito Lira, Armandinho de Góis, Jaú, Pedro Mamoeiro e muitos mais, e seus competentes timoneiros, valia a pena apreciar as braçadas vigorosas e elegantes dos grandes estilistas do nado livre olímpico de Johnny Weismuller (o Tarzan), o nado “crawl” de  José Guará, Amaury Moura, Jahyr Navarro, Gilvan de Sá Leitão, tendo como ponto principal o Cais Tavares de Lira, lugar preferido para o footing da Dr. Barata, dando uma esticadinha até o cais para apreciar e aplaudir aqueles guapos atletas dos esportes fluviais, que juntamente com o futebol, eram as principais opções de lazer da província além dos bailes do Aero Clube.
Moacyr estudava no Colégio Pedro II, do saudoso Professor Severino Bezerra, na Ribeira, ao lado do Teatro, depois para o curso ginasial do Atheneu da Avenida Junqueira Aires, em 1939.
Com carinho e emoção o mano comenta a Copa do Mundo de 1938, na França, a qual era transmitida precariamente num velho rádio Philips holandês, cheio de estática e de transmissão quase imperceptível do locutor Gagliano Neto cujo slogan era “A.E.I.O.URCA” (patrocínio do Cassino da Urca) e românticos da cidade como Raimundo do Cartório, Ney Marinho, Dr. Grácio Barbalho, Luis Tavares[9] e o próprio Xixico, um dos donos do Rex. 
Em 1939 eclode a 2ª Grande Guerra em 1939, Moá com 12 anos, época em que eu nasci na Av. Rio Branco. Em 1941 tivemos a chegada dos primeiros americanos a Natal para implantar a Base Aérea de Parnamirim (Parnamirim Field), ou ‘Trampolim da Vitoria’ iniciando grandes transformações nos costumes da cidade, que começava a assimilar posturas cosmopolitas, com um aumento populacional partindo dos 55.000 habitantes recenseados, de cerca de mais 10.000 pessoas, período onde recebemos na velha Ribeira de guerra figuras notórias como Tyrone Power, Joe Brown (Boca Larga), Nelson Eddy e Janet Mc Donald na Rua Dr. Barata.
Paralelamente, começava a tertúlia pela prática de basquete e vôlei no avião da Praça Pedro Velho, pequeno bar de apoio entre uma quadra de vôlei de um lado e uma de basquete do outro, com destaque para os talentos de Alberto e seu irmão Biliu, Professor Serrano, Humberto Nesi, Chico Lamas, Demóstenes, Irineu e seus irmãos do time da Escola de Artífices, alguns rapazes da Aeronáutica, servindo na base de Parnamirim, jogadores dos times do Rio, São Paulo e outros estados do sul e alguns militares americanos, jogadores das ligas profissionais ou universitárias dos Estados Unidos. Entre os juvenis aspirantes, jogavam Moacyr e seus contemporâneos, Leyde Morais, Altanir, Aurino, Armando, Paulo e Sinésio Dias e outros não identificados pelo retrovisor embaçado, e depois iam lavar o suor nos tanques das tartarugas. O local dessas quadras era exatamente onde hoje está o Palácio de Esportes Djalma Maranhão.
Às tardes dos domingos, no coreto central assistia-se o espetáculo da Banda da Polícia Militar, da Base aérea ou do ATC, cercados por lindas moças circulando de braços dados fotografados pelas lentes de Jaecy Emerenciano, depois um vesperal de filmes românticos no cinema Rex, e um sorvete na Sorveteria Polar. Meia hora de flerte e as meninas sumiam de repente enquanto os rapazes iam para onde existiam os serviços de alto falantes de Luiz Romão, para ouvir a BBC de Londres, com Luis Jatobá e fundo musical de Orlando Silva, depois um lanche no Dia e Noite e outras estrepolias dos jovens de então ...
A partir de 1942 o futebol juvenil em Natal passou a contar com um grande esportista na pessoa do jovem adolescente Paulo Fernandes Dantas, que criou um campeonato juvenil que empolgou a rapaziada. Paulinho era filho do General Fernandes Dantas, então Interventor Federal no Rio Grande do Norte, torcedor apaixonado do CR Flamengo do Rio de Janeiro, e teve permissão do pai para fazer uma reforma no imenso quintal da Vila Cincinato na Praça Pedro Velho, então residência oficial do governador do estado, com fundos para a Rua Mipibú onde hoje se situa a Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, e onde existia até bem pouco tempo a Escola de Engenharia da UFRN, e assim transformá-lo num campo de futebol criando um empolgante torneio de futebol juvenil que tinha dois times em destaque, a saber, CR Flamengo, obviamente tendo como presidente o próprio Paulinho, com carteirinha de atleta e tudo tendo como técnico o saudoso Eudes Caldas Moura, e com a seguinte escalação João Bicão, Zezé Moura e Ignácio Meira Pires, Armando, Ademar Maroca  e Waldir, Rolé, Moacyr, (mexicano) Joãozinho, Francisco, Ivanildo Polegar e Jacques Saraiva. Seu grande adversário era o Olímpico que contava com Antomar Ferreira de Souza, Tuninho Melo Lima, Heriberto Bezerra, Altanir, Aurino, Jarbas Bezerra e outros que o velho retrovisor não consegue mostrar. O torneio terminava com festa, até com a participação da Orquestra Tabajara, com Severino Araujo (nosso Glenn Miller), K-Ximbinho e tudo, e esses fantásticos músicos tocaram a noite toda em nosso baile de comemoração, no próprio salão nobre da casa do governador, cheio das meninas mais bonitas da cidade. 
Nova mudança, desta vez para a Rua Princesa Izabel, vizinho a Paié e Vozinha (Aline), defronte do Colégio 7 de Setembro, do Professor Antônio Fagundes e a casa da conhecida e estimada parteira Dona Adelaide, que trouxe ao mundo parte dos irmãos.
O Brasil entra na guerra e Natal tornou-se famosa, conhecida como “Trampolim da Vitória”, na defesa do continente na 2ª Guerra Mundial. A cidade vivia constantemente em estado de alerta, com as noites em “black-out”, obrigando as pessoas a fazerem abrigos antiaéreos, com o céu rasgado por holofotes rastreando possíveis inimigos e os nossos aviões fazendo patrulhamento nas costas, voando pela cidade, deixando a população em permanente estado de tensão.
Ocorreu então o agravamento da situação, já difícil, em que papai vinha atravessando, em virtude de insidiosa doença (polinevrite), que o prendeu ao leito, quase inválido, durante longo tempo, tendo suportado tudo pela ajuda de Deus, pela solidariedade de seus parentes e amigos e, sobretudo, pela sua paciência chinesa e enorme força espiritual, com a dedicação de samaritana de Dona Lygia. Os filhos tinham que se virar - Fernando tomava conta de uma cigarreira em frente à Cia. Força e Luz, na Av. Tavares de Lira, próximo ao Cartório de Antídio Azevedo, e Moacyr, ajudava como vendedor “pracista” da firma Gomes & Cia. Ltda., instalada num velho sobrado da Rua Dr. Barata, vizinho à sede do “Carneirinho de Ouro” (prédio que ainda existe), pois a Ribeira entrou em decadência e ali quase nada mudou.
Nesse ínterim Moacyr arranjou um emprego de escritório na Base Aérea americana, pois era bom datilógrafo e falava um pouco de inglês, enquanto papai, já melhorando da doença, foi incentivado pelos amigos a prestar exame para a Magistratura, ainda no leito, sendo conduzido nos braços, logrando aprovação e nomeação para Juiz de Direito da Comarca de Santana do Matos, distribuindo os filhos mais velhos entre os parentes, em razão da fase de estudos. Isso durou muito tempo, pois papai era Juiz de morar realmente nas Comarcas e foi sucessivamente sendo promovido para Angicos, Penha (Canguaretama), Macaíba até chegar a Natal.
Moacyr e Fernando ficaram morando com vovô João Gomes, com o beneplácito de “Tia Nana” e “Lilia”, nos “quartinhos” que alojaram muitos outros parentes – Clóvis e João Gomes Neto, Seu Luiz Xavier, Renato Praxedes, Benedito Benfica e outros muitos parentes vindos das bandas de Taipu e Baixa Verde.  Ali era a Embaixada dos oriundos da Pitombeira e adjacências e os rapazes (Zeco, Loló, Ici, Tonho, Ué, Pedro, Paulo e Luiz Gomes), que não cabiam na casa grande e, mesmo que alguns ainda vivessem no interior ou estudando fora, ali era o lugar certo de pouso em suas passagens por Natal. Os quartinhos correspondiam onde hoje é o quintal da minha casa, construída em 1966 com empréstimos sucessivos na Caixa Rural do Professor Ulisses, com o aval de papai, cuja rua recebeu o nome do Coronel João Gomes.
Por esse tempo houve a partida dos tios Francisco e Luiz que foram estudar no Rio de Janeiro, o primeiro seguindo a carreira militar, chegando a General e Luis tornando-se respeitável engenheiro-calculista.
Pode-se dizer que o ingresso de papai na Magistratura, deu início a uma fase mais amena em sua vida e impulsionou a consolidação do grande homem que havia dentro dele e revelou para a posteridade o extraordinário magistrado e professor das futuras gerações, deixando aos seus descendentes um legado inestimável de exemplos positivos, sendo nome de rua, biblioteca e sala no Tribunal de Justiça.
Nesse período, papai conseguiu comprar uma casinha na Rua Otávio Lamartine, onde nasceu Zezinho – o último dos filhos, mas teve de vendê-la para pagar dívidas de um parente, época em que o magistrado era pessimamente remunerado.
Em 1945 termina a guerra – papai Juiz de Penha (Canguaretama) e Moacyr desempregado face à desativação da base americana. Surge a ideia de ir para o Rio de Janeiro estudar, recomendado pelo tio Luis, que recebeu nosso irmão mais velho, deu-lhe emprego em sua empresa e a orientação necessária para o aprendizado profissional e da vida – foi na verdade o alicerce em que edificou os objetivos maiores daquele jovem sonhador, sem onerar o já combalido orçamento da família.
Por desenhar muito bem, já despontava como promessa de um futuro arquiteto, com a ajuda desse tio vencedor no Rio de Janeiro.
No Rio de Janeiro comeu o pão que o diabo amassou, mas venceu e tornou-se arquiteto, aliás, naquele tempo Engenheiro-Arquiteto. Brilhou na Cidade Maravilhosa, ganhou concursos de projetos até que foi convidado pelo Governador Dinarte Mariz para projetar algumas obras do seu governo.
O retorno a Natal renovou o seu amor pela cidade e logo depois mudou-se com armas e bagagens e daqui nunca mais saiu.
Tornou-se um arquiteto conhecido, criou sociedades com outros colegas e ganhou prestígio.
No vai e vem da vida, foi convidado para projetar um estádio, o "Castelão", depois "Machadão", depois o Complexo Desportivo Humberto Nesi e muitas outras festejadas obras, até o Pórtico de Natal, com a cauda de um cometa, uma estrela, tendo logo abaixo os três Reis Magos talhados por Manxa.
Diga-se, por oportuno, que projetar estádios já pertencia à sua essência, pois foi um deles o seu trabalho de final de curso. Jamais saiu do Brasil, não sendo verdadeira a versão de haver viajado à Alemanha para copiar um certo estádio, como irresponsavelmente insinuou um conhecido jornalista esportivo, agora aposentado.
O estádio, pela sua concepção arrojada, foi elogiado por João Saldanha e ganhou do Governador Cortez Pereira a frase de que era um verdadeiro "Poema de Concreto", que passou a ser o seu filho do coração.
Porém a avareza de uns, a irresponsabilidade de outros e a omissão de muitos permitiram a criminosa demolição do fabuloso estádio, erguendo no mesmo lugar a "Arena das Dunas", povoada de irregularidades, agora postas às mostras, desolando ainda mais a memória daquele centro de futebol que fez história.
Essa e outras histórias eu contei no livro "O menino do poema de concreto".
Hoje o velho Moá chega aos 90 anos, inteiro, ainda em atividade, cheio de memórias, bom de papo, bom de copo e curtindo a família que construiu com Iris e os incontáveis amigos de fé, camaradas. Agora é tempo de alegria, de comemorações e boas lembranças. Os fatos que o fizeram sofrer ficaram no passado - cinzas, tudo acabado e nada mais.
Se a sociedade não se lembrar de você, esteja certo que a sua família dirá presente e lhe abraça com todo o carinho deste mundo.
PARABÉNS VELHO GUERREIROPARABÉNS MENINO DO POEMA DE CONCRETOvamos no caminho dos 100, como o saudoso General Costa!

[1] José Gomes da Costa, filho do Cel. João Gomes da Costa e Bernardina Rodrigues da Costa e Maria Ligia de Miranda Gomes, filha de Jerônimo Xavier Miranda (da tradicional família “Miranda Henriques” e Aline Miranda de Albuquerque Maranhão (igualmente descendente da nobre família “Albuquerque Maranhão).
[2] (filho único de Cassiano Gomes da Costa e Maria Rosa de Freitas Gomes da Costa, tendo por avós Manuel Gomes da Costa, de nacionalidade portuguesa/Clara Maria de Paiva (Candinha) e o Velho Freitas (Francisco de Freitas da Costa e avó Ana Rosa da Apresentação Costa. O Coronel foi casado duas vezes e com duas irmãs – Bernardina Rodrigues da Costa e, com a morte desta, com Anna Rodrigues da Costa (filhas de Alexandre Rodrigues Santiago e Maria Joaquina Rodrigues de Paiva e netas de Jerônimo Ferreira Santiago/Felipa Rodrigues Santiago e Francisco de Paula Paiva/Bernardina Lopes de Vasconcelos). 
[3] Moacyr Gomes da Costa, nascido em Caicó-RN, no dia 07 de junho de 1927.
[4] “Mãe Quininha”, como era conhecida a parteira Joaquina Dantas Gurgel, esposa de Pedro Gurgel do Amaral e Oliveira e mãe do Monsenhor Walfredo Gurgel.
[5] Dinarte de Medeiros Mariz, líder político do Seridó, que foi Governador do RN e Senador da República.
[6] Dr. Mariano Coelho, médico estabelecido em Currais Novos, onde foi, também, político conceituado.
[7] João Batista Galvão era natural de Mossoró. Com 25 anos de idade tornou-se secretário do Atheneu Norte-rio-grandense. Sua participação no movimento comunista de novembro de 1935 decorreu de ser prestigiado por parcela da população insatisfeita e estudantes, que o aclamavam nas ruas. No período em que vigorou o curto Governo Popular Revolucionário exerceu o cargo de “Ministro da Viação e Obras Públicas”. Foi cognominado de “Primeiro Ministro” da insurreição que implantou o primeiro governo marxista-leninista no continente americano, por aclamação dos insurretos, carregado nos braços para o Palácio do Governo, na praça Sete de setembro e para a Vila Ciccinato, na Praça Pedro Velho, onde funcionou a sede do chamado Governo Popular Revolucionário.
Casado com Maria Amélia da Nóbrega Santa Rosa (prima da esposa de Juvenal Lamartine – um dos “coronéis” do Estado – dona Silvina Lamartine), e desde os 18 anos já era membro do Partido Comunista do Brasil, com efetiva participação das lutas estudantis de Natal e do Recife, para onde viajava constantemente para participar das reuniões da Aliança Nacional Libertadora (1935), codinome do Partido Comunista do Brasil. Era um homem de coragem e contam que ele e José Macedo, "Ministro das Finanças" da revolução, foram os que mais apanharam dos policiais. Ficou preso 18 meses na Casa de Detenção (hoje Centro de Turismo de Natal), tendo perdido um rim em virtude dos espancamentos sofridos. Mais tarde, João Galvão tornou-se provisionado da OAB/RN e depois de formado monta uma banca de advogado, que funcionou, algum tempo, ibde hoje é o ‘Memorial Vicente Lemos’, nos fundos do Tribunal de Justiça do Estado.

[8] Ivanildo Correia de Paiva, filho do Professor Saturnino, jovem bastante popular por seu espirito inteligente e brincalhão, bem humorado que de qualquer fato trivial transformava numa piada engraçada, que logo se incorporava ao anedotário popular. Foi apelidado de Ivanildo Deus porque de certa feita ocorreram dois acidentes quase no mesmo instante, um na Ribeira e outro no Alecrim, e as manchetes dos jornais estamparam os dois fatos com a foto do moço em primeiro plano. Obvio, só Deus podia estar presente ao mesmo tempo em dois lugares extremos da cidade.           
[9]  Luis Tavares, comerciante, figura popular em Natal pelos seus dotes físicos, mãos de king-kong, muita força, costumava fazer aposta de amassar com um bofete o paralama de um ford de bigode, e, durante a guerra, costumava demolir os valentões americanos que criavam confusão nos cabarés. Contam que certa vez no Wonder Bar suspendeu um marinheiro americano, quando a policia chegou e mandou que o largasse, ao que prontamente  obedeceu, só que jogou o cristão pela janela do 2º andar. Felizmente o rio estava de maré alta, e o homem escapou sem maiores consequências. Era um grande boêmio, dono de uma bela voz romântica, excelente seresteiro, leal amigo, ficou no anedotário potiguar por suas “presepadas”.
10] Tudo faz crer que é da década de 1930, até pela vestimenta das pessoas que aparecem em uma foto, principalmente pelos chapéus dos homens.
Naquele tempo, não existia CAERN, o serviço de àgua e esgoto de Natal era uma concessão ao Escritório Saturnino de Brito, cujo desempenho deixou na época a cidade quase 100% saneada, e valiosas obras arquitetônicas e urbanísticas, que, infelizmente, a cultura vandálica predominante nesta "terra do já teve" deixou desaparecer. Lá compareciam os endinheirados militares americanos com as meninas igualmente "alegres" da Ribeira.O local era mesmo no inicio da ladeira do Sol, esquina da Rua Dionísio Filgueira com a avenida Getúlio Vargas, onde terminava a linha de bonde elétrico, em frente à casa do Coronel Guerreiro, a qual, por sinal, foi, na ocasião, ocupada pelo USO. BEACH CLUB, clube social instituído pelo governo americano em todas as suas bases militares, para divertir suas tropas e fazer sua integração com a população local.



Nenhum comentário:

Postar um comentário